Jornal Diário Jornal das 13

PS e PSD insistem na duração do arrendamento para direito de preferência de inquilinos

PS e PSD insistem na duração do arrendamento para direito de preferência de inquilinos
| Política
Porto Canal com Lusa

O PS e o PSD insistem na duração do arrendamento como critério para o exercício do direito de preferência pelos inquilinos na transmissão de habitações, ao contrário do que defende o BE, segundo as propostas legislativas divulgadas este sábado.

No âmbito da apreciação do projeto de lei n.º 848/XIII que altera o Código Civil para "aprimoramento do exercício do direito de preferência pelos arrendatários", apresentado pelo BE, o prazo para apresentação de propostas de alteração terminou esta sexta-feira, contabilizando-se três iniciativas avançadas pelos grupos parlamentares do PS, do PSD e do BE.

"O arrendatário tem direito de preferência na compra e venda ou dação em cumprimento do local arrendado há mais de três anos", propôs o PS, defendendo que se mantenha a redação atual do Código Civil, enquanto a proposta do BE elimina a referência à duração do contrato de arrendamento.

Já o PSD quer que o critério seja de arrendamento "há mais de três anos", segundo a proposta apresentada pelos deputados sociais-democratas.

Inserido no pacote legislativo sobre habitação, que conta com 27 iniciativas e que se encontra em apreciação no Grupo de Trabalho da Habitação, Reabilitação Urbana e Políticas de Cidade, o projeto de lei n.º 848/XIII foi apresentado após as "notícias da intenção da administração da Fidelidade em alienar parte significativa do seu património imobiliário", expôs o grupo parlamentar do BE.

Segundo os bloquistas, a alteração ao Código Civil visa "assegurar que os inquilinos possam exercer o direito de preferência em tempo razoável e desde que possuam um contrato de arrendamento, cabendo ao proprietário a constituição da propriedade em regime de propriedade horizontal para que a venda se possa efetivar".

Além da duração do arrendamento, o prazo para o exercício do direito de preferência pelos arrendatários também suscita posições divergentes.

O projeto de lei do BE alarga o prazo para o exercício do direito de preferência de oito dias para 90 dias, mas o PS sugere "30 dias a contar da data da receção" da comunicação expedida por correio registado com aviso de receção a dar conhecimento do preferente e o PSD estabelece como prazo 15 dias.

Inserido na temática do prazo, o BE aproveitou o período de apresentação de propostas de alteração ao diploma para acrescentar que "a comunicação é feita por carta registada com aviso de receção".

No caso de "venda da coisa juntamente com outras", o projeto de lei n.º 848/XIII pretende eliminar a "exigibilidade de o exercício do direito de preferência ser exercido em conjunto com outros bens", ao que o PSD reclama a eliminação desta proposta e o PS pede que o obrigado indique na comunicação "o preço que é proporcionalmente atribuído ao imóvel em causa, bem como ao que for vendido em conjunto".

A iniciativa legislativa do BE estipula ainda "a alienação de prédio parcialmente arrendado que não esteja em regime de propriedade horizontal, dependa da constituição da propriedade horizontal, para permitir o exercício do direito de preferência, sob pena de nulidade", proposta que o PSD entendeu eliminar e o PS decidiu alterar para que o obrigado inclua a "demonstração da existência do prejuízo apreciável" para que seja lícito exigir que a preferência abranja todas as restantes frações.

Relativamente à aplicação no tempo, o projeto de lei n.º 848/XIII indica que "as alterações ao Código Civil são aplicáveis a todos os contratos em vigor, independentemente da sua prévia denúncia nos termos da legislação anterior", ao que o PS resolveu alterar para que a lei seja "aplicável aos contratos de compra e venda ou dação em cumprimento de imóveis celebrados após a sua entrada em vigor".

No que diz respeito à entrada em vigor, o diploma do BE aponta para que seja no dia seguinte ao da publicação da lei, mas o PSD quer que seja três meses após o dia da publicação.

+ notícias: Política

Descentralização de competências para as autarquias aprovada na especialidade

 O texto da lei da descentralização de competências do Estado central para as autarquias, uma das prioridades do Governo socialista, foi hoje aprovado na especialidade na Assembleia da República, viabilizado pelo PS e pelo PSD.

Transferência do Infarmed para o Porto volta hoje ao parlamento

A transferência do Infarmed para o Porto volta hoje a ser debatida no parlamento, onde os deputados vão ouvir o Conselho Diretivo e a Comissão de Trabalhadores da instituição, a pedido do PSD.

Morreu o ex-coordenador do BE João Semedo

O ex-coordenador do Bloco de Esquerda João Semedo morreu hoje, aos 67 anos, depois de anos de uma batalha contra o cancro, revelou aquela estrutura partidária, através de uma nota de pesar publicada no site 'Esquerda Net'.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.