Jornal Diário Jornal das 13

Obama defende que Acordo de Paris ainda pode unir países contra alterações climáticas

| Mundo
Porto Canal com Lusa

O ex-Presidente dos EUA Barack Obama defendeu esta sexta-feira que, com o Acordo de Paris, ainda é possível juntar os países em torno de uma agenda comum contra as alterações climáticas e resolver um problema que transcende fronteiras.

Atualizado 07-07-2018 13:13

"O que vemos é que com o Acordo de Paris (...) ainda é possível ter os países em torno de uma agenda comum", destacou o 44.º Presidente dos Estados Unidos da América, que assumiu o combate às alterações climáticas como uma prioridade para os seus mandatos, entre 2009 e 2017.

Obama falava durante a cimeira "Climate Change Leadership", hoje no Porto, destinada a debater as alterações climáticas e a lançar um acordo de compromisso por uma economia mais verde e sustentável.

Para o ex-Presidente dos EUA, "o problema das alterações climáticas transcende fronteiras", e "não vamos resolver este problema sozinhos".

Questionado sobre o futuro do Acordo de Paris, lamentou que o seu sucessor tivesse uma posição diferente da sua quanto a alterações climáticas, mas disse acreditar que, no futuro, os EUA vão voltar a alinhar com a ciência.

"A má notícia é que o meu sucessor não concordou comigo. (...) A boa notícia é que outros esforços foram surgindo na economia e as empresas foram percebendo as vantagens de investir em energia limpa", assinalou.

Num discurso após a assinatura do Acordo de Paris, em dezembro de 2015, Obama defendeu que "nenhuma nação consegue resolver este problema sozinha" e que esta seria a "melhor hipótese de salvar o único planeta que temos".

"Este acordo envia uma mensagem poderosa, que o mundo está totalmente comprometido com um futuro de baixo carbono e que tem potencial para promover investimento e inovação em energia limpa", afirmou então nos EUA.

+ notícias: Mundo

Mais de mil milhões de pessoas em risco devido a falta de refrigeração

Mais de 1,1 mil milhões de pessoas em 52 países enfrentam riscos significativos por falta de acesso a refrigeração, incluindo a morte, segundo uma perita das Nações Unidas.

Justiça alemã extradita Puigdemont, mas apenas por delito de peculato

O tribunal alemão de Schleswig-Holstein decidiu hoje extraditar para Espanha o ex-presidente catalão Carles Puigdemont por um alegado delito de peculato (desvio de fundos), mas não pelo crime de rebelião, segundo a agência Efe.

Tailândia: Todos os rapazes e treinador retirados da gruta

Todos os 12 jovens jogadores de futebol e o treinador que ficaram há duas semanas encurralados numa gruta no norte da Tailândia estão a salvo, segundo as autoridades tailandesas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.