Info

Obama defende que Acordo de Paris ainda pode unir países contra alterações climáticas

| Mundo
Porto Canal com Lusa

O ex-Presidente dos EUA Barack Obama defendeu esta sexta-feira que, com o Acordo de Paris, ainda é possível juntar os países em torno de uma agenda comum contra as alterações climáticas e resolver um problema que transcende fronteiras.

Atualizado 07-07-2018 13:13

"O que vemos é que com o Acordo de Paris (...) ainda é possível ter os países em torno de uma agenda comum", destacou o 44.º Presidente dos Estados Unidos da América, que assumiu o combate às alterações climáticas como uma prioridade para os seus mandatos, entre 2009 e 2017.

Obama falava durante a cimeira "Climate Change Leadership", hoje no Porto, destinada a debater as alterações climáticas e a lançar um acordo de compromisso por uma economia mais verde e sustentável.

Para o ex-Presidente dos EUA, "o problema das alterações climáticas transcende fronteiras", e "não vamos resolver este problema sozinhos".

Questionado sobre o futuro do Acordo de Paris, lamentou que o seu sucessor tivesse uma posição diferente da sua quanto a alterações climáticas, mas disse acreditar que, no futuro, os EUA vão voltar a alinhar com a ciência.

"A má notícia é que o meu sucessor não concordou comigo. (...) A boa notícia é que outros esforços foram surgindo na economia e as empresas foram percebendo as vantagens de investir em energia limpa", assinalou.

Num discurso após a assinatura do Acordo de Paris, em dezembro de 2015, Obama defendeu que "nenhuma nação consegue resolver este problema sozinha" e que esta seria a "melhor hipótese de salvar o único planeta que temos".

"Este acordo envia uma mensagem poderosa, que o mundo está totalmente comprometido com um futuro de baixo carbono e que tem potencial para promover investimento e inovação em energia limpa", afirmou então nos EUA.

+ notícias: Mundo

Novo balanço aponta para pelo menos 76 mortos em incêndio na Califórnia

As autoridades norte-americanas elevaram no sábado para 76 o número de mortos devido a um incêndio no norte do estado da Califórnia que devastou a vila de Paradise, onde arderam cerca de dez mil habitações.

Três mortos e três feridos graves após disparos de polícia em festa em Díli

Três jovens morreram e três estão em estado grave no hospital nacional Guido Valadares, em Díli, alvejados por um polícia fora de serviço durante uma discussão numa festa em Díli, disse fonte hospitalar.

Novo balanço eleva para 48 o número de mortos em incêndio em Paradise, Califórnia

As autoridades norte-americanas elevaram de 42 para 48 o número de mortos devido ao incêndio em Paradise, na Califórnia, que está a ser combatido por mais de cinco mil bombeiros e que já consumiu 505 quilómetros quadrados.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.