Jornal Diário Jornal das 13

Infarmed retira medicamentos para tensão arterial elevada onde foi detedada impureza

Infarmed retira medicamentos para tensão arterial elevada onde foi detedada impureza
| País
Porto Canal com Lusa

A Autoridade Nacional do Medicamento mandou retirar do mercado vários lotes de medicamentos contendo a substância ativa valsartan, usada no tratamento da tensão arterial elevada, porque foi encontrada uma impureza, anunciou o Infarmed.

Segundo o Infarmed, a impureza identificada no âmbito do Sistema Europeu de suspensão de medicamentos apenas foi detetada nos fármacos cuja substância ativa valsartan foi fabricada por uma empresa na China.

"Os Estados-membros da União Europeia, em articulação com a Agência Europeia de Medicamentos (EMA), desencadearam, como medida preventiva, a recolha dos lotes em todo o circuito da distribuição dos medicamentos potencialmente afetados", explica.

O Infarmed recomenda aos doentes que estejam a utilizar os medicamentos afetados que não interrompam os tratamentos e que contactem o médico ou farmacêutico para prescrição ou dispensa de um ouro fármaco em substituição.

A Autoridade Nacional do Medicamento esclarece ainda que há medicamentos com a mesma substância ativa ou com valsartan associada com outra substância que não serão retirados do mercado pois não estão incluídos na lista elaborada pelas autoridades e, por isso, vão manter-se no mercado.

Há ainda no mercado outros medicamentos disponíveis com as mesmas indicações terapêuticas e que constituem alternativa, acrescenta.

+ notícias: País

Cerca de 1.300 taxistas concentrados em Lisboa, Porto e Faro

Cerca de 1.300 táxis integravam esta quarta-feira, pelas 09h00, o protesto contra a lei que regula as plataformas de transporte em veículos descaracterizados, nas cidades de Lisboa, Faro e Porto, segundo a organização.

Tribunais portugueses têm falta de 256 magistrados do Ministério Público

Faltam mais de 250 magistrados nos tribunais. O Sindicato diz que está em causa a qualidade das investigações e que ministério Público pode não conseguir cumprir com as suas obrigações.

Funcionária de uma empresa em Santa Maria da Feira queixa-se de retaliação após ordem judicial

Uma funcionária de uma empresa de cortiça de Santa Maria da Feira continua a queixar-se de retaliação, uma vez que, foi despedida ilegalmente e depois novamente integrada na empresa por ordem judicial mas está sujeita a trabalhos bem diferentes das outras colegas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

Olá Maria!

Trend(i) - diferentes tipos de bolsas...

N'Agenda

Exposição 'Amor com amor...