Info

António Costa afirma que "é difícil alguém encontrar um bom motivo" para não prosseguir mesma política

| Política
Porto Canal com Lusa

O primeiro-ministro, António Costa, considerou hoje "difícil alguém encontrar um bom motivo" para que o Governo não prossiga a mesma política dos últimos três anos, questionado sobre a aprovação do próximo Orçamento do Estado.

Atualizado 06-07-2018 15:39

"Há uma ideia simples que costumo repetir: quando estamos no bom caminho, o que devemos fazer? Prosseguir no bom caminho", defendeu Costa aos jornalistas, no final do primeiro dia da visita oficial a Moçambique.

Questionado se esta deslocação de dois dias o faz esquecer a atualidade nacional, o primeiro-ministro respondeu que esta "é inesquecível" e que também não tem qualquer motivo particular para a procurar esquecer.

"É uma atualidade boa, estamos a crescer no plano económico; no plano político, vivemos um período de estabilidade política; a única má notícia foi, enfim, não termos passado dos oitavos de final do mundial, não vamos ficar a chorar até ao fim da vida", afirmou, referindo-se à seleção nacional de futebol.

Questionado como classifica a posição do PSD de que "tendencialmente" votará contra o próximo orçamento, afirmada hoje pelo líder parlamentar Fernando Negrão, António Costa disse não ter tido qualquer surpresa.

"Eu não sei qual é a surpresa, o PSD votou sempre contra todos os orçamentos, não temos expectativa que altere o seu voto", disse.

Sobre se, nessa perspetiva, terão de ser os parceiros PCP, BE e PEV a aprovar o documento, Costa salientou que a base parlamentar de apoio do Governo tem conseguido aprovar "orçamento após orçamento com bons resultados" e nenhum careceu de retificativo, resultando em dados como o crescimento económico, a redução do desemprego ou o défice mais baixo da democracia.

"Acho que é difícil alguém encontrar um bom motivo para não prosseguirmos nos próximos anos aquilo que é a política que temos vindo a seguir nos últimos três anos e produzido bons resultados", defendeu.

+ notícias: Política

Presidente da República faz apelo cívico e pede aposta na prevenção da sinistralidade rodoviária

O Presidente da República fez este domingo um apelo cívico aos portugueses para se combater a sinistralidade rodoviária no país e pediu uma aposta das autoridades “na prevenção, na educação e na sinalização”.

Presidente da República receia que número de propostas atrase promulgação do OE 2019

O Presidente da República expressou este saábdo preocupação com o prazo de promulgação do Orçamento do Estado para 2019, afirmando recear que o número de propostas de alteração apresentadas, quase mil, leve a um atraso na redação final.

Manuel Machado diz que houve quem confundisse descentralização com regionalização

O presidente da Associação Nacional de Municípios diz-se satisfeito com o processo de descentralização. Manuel Machado garante que esta é só a primeira fase de uma transferência de competências mais ampla. E quanto aos autarcas que criticam a reforma fala de deslealdade e más interpretações

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.