Jornal Diário Jornal das 13

Trabalhadores da Misericórdia de Gaia em greve por aumentos salariais

| Norte
Porto Canal com Lusa

Os trabalhadores da Santa Casa de Misericórdia de Vila Nova de Gaia cumprem esta quarta-feira um dia de greve e concentraram-se de manhã frente às instalações desta instituição para reivindicar aumentos salariais, bem como melhoria das condições de trabalho.

Atualizado 04-07-2018 15:16

"É mesmo necessário o aumento de salário" ou "direitos conquistados não podem ser roubados", foram algumas das frases entoadas durante a concentração, enquanto na faixa colocada em frente à Santa Casa se lia "Trabalhadores da Misericórdia de Gaia em greve por melhores salários e na defesa de direitos".

Em declarações à agência Lusa, o responsável do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte (STIHTRSN), Francisco Figueiredo, apontou que a greve de um dia teve início às 07:00 de hoje, prolongando-se ao longo de vários turnos incluindo o da noite, estando assegurados os serviços mínimos.

"Registamos uma grande adesão”, disse Francisco Figueiredo, sem quantificar.

“É natural porque há muito tempo que os trabalhadores reivindicam melhores condições. Os salários praticados pela Misericórdias de Gaia são muito baixos, há falta de pessoal em várias secções e os ritmos de trabalho são muito intensos", referiu ainda.

Numa moção aprovada durante a concentração e entregue aos responsáveis da instituição exige-se aumento salarial mínimo de 40 euros para cada trabalhador, bem como pagamento do trabalho noturno e em dia feriado, fornecimento de alimentação em quantidade e qualidade ou negociação de subsídio justo, entre outras reivindicações.

Questionado sobre estas exigências, o provedor da Santa Casa de Misericórdia de Vila Nova de Gaia, Artur Leite, apontou à Lusa que "é incomportável aumentar os salários praticados atualmente" e rejeitou algumas das restantes reivindicações, considerando que "não são verdadeiras".

"Sou o primeiro a lamentar que não possamos aumentar salários, mas todas as Misericórdias vivem situações insustentáveis. Não somos nós que fazemos as regras de financiamento da Segurança Social", referiu Artur Leite.

De acordo com os responsáveis da Santa Casa a questão levantada pelo STIHTRSN sobre o trabalho noturno e em dia feriado "não corresponde à verdade", pois garantem que a leia está a ser cumprida.

Quanto à alimentação, Artur Leite apontou ter relatórios mensais que "comprovam a qualidade do serviço".

"E em nenhum relatório da Segurança Social, que é entidade fiscalizadora da nossa atividade, está referido que há falta de pessoal", acrescentaram.

Quanto à exigência por integração de trabalhadores precários, Artur Leite apontou que há três anos e meio foram integrados cerca de 30 trabalhadores.

A moção entregue pelos funcionários também refere que "não estão a ser asseguradas condições de trabalho dignas", tendo sido referido à Lusa, pelo diretor geral da instituição, João Paulo Coelho, a título de exemplo, que recentemente foram investidos 120 mil euros em 100 camas elétricas para promover melhor qualidade de vida aos utentes e também aos trabalhadores diminuindo-lhes o esforço de trabalho.

+ notícias: Norte

"Escaravelho" do castanheiro ameaça produção de castanha em freguesia de Valpaços

Os produtores de castanha continuam preocupados com as pragas nos castanheiros. Na zona de Carrazedo de Montenegro, em Valpaços, que é conhecida como a capital da castanha judia, as atenções centram-se numa praga conhecida como "escaravelho" do castanheiro que seca a árvore e destrói a produção.

Rui Moreira diz que urgente realojar restantes moradores do bairro do Aleixo

Rui Moreira explicou na reunião diz que a decisão de urgência de realojar todos os moradores das três restantes torres do bairro do Aleixo deveu-se à queda inesperada de partes das fachadas dos edifícios. O autarca do Porto adiantou no entanto que pelo menos para já não pretende extinguir o fundo criado em 2009 para resolver o problema do bairro.

Escolas do Norte do país encerradas devido a falta de funcionários

Uma escola em Braga e outra na Póvoa de Varzim não abriram, esta segunda-feira, devido a falta de funcionários. A carência de auxiliares é um dos problemas que está a marcar o arranque do ano letivo, bem como os protestos dos professores e pelos atrasos na entrega dos manuais escolares.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.