Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Fundação Côa Parque com situação "insustentável " para a sua gestão

| Norte
Fonte: Agência Lusa

Vila Nova de Foz Côa, 24 jan (Lusa) - O presidente da Fundação Côa Parque, Fernando Real, admitiu hoje que a situação da instituição é "insustentável" desde 2013, o que "inviabiliza" o seu funcionamento, devido aos cortes nas transferências do Estado para as fundações.

"A fundação criada recentemente, só em 2012 teve orçamento próprio e já num ano de grande contenção financeira. Nessa altura foi atribuído um orçamento contido ao estritamente necessário e que rondava 1,4 milhões", explicou à Lusa o responsável.

Ainda de acordo com Fernando Real, o orçamento atribuído " não tem margem para reduções cegas" e quando são feitos cortes na ordem dos 50%, isso significa que o dinheiro que fica disponível "dá para cinco a seis meses para os encargos da fundação".

Há já "largos meses" que os salários dos trabalhadores da Fundação Côa Parque "têm sofrido atrasos no seu pagamento e o subsídio de férias foi pago com uma semana atraso. E, de momento, a fundação já não consegue pagar a fatura da eletricidade ou do telefone.

"O orçamento para 2014 ainda não foi aprovado, porque, na reunião do conselho de fundadores, não se chegou a um consenso devido as reduções orçamentais impostas pelo Governo às fundações. No caso da Côa Parque, já tinha o orçamento mínimo, tendo sido colocado o assunto à tutela", frisou Fernando Real.

Os membros fundadores da Côa Parque são a Direção-Geral do Património Cultural, ministérios da Economia e do Ambiente, Câmara de Vila Nova de Foz Côa e Associação de Municípios do Vale do Côa.

"Tenho a informação de que o gabinete do primeiro-ministro deu a indicação que o assunto fosse resolvido pelas respetivas tutelas da Côa Parque", acrescentou.

O responsável pela Côa Parque adiantou que está marcada uma reunião para o próximo dia 30, na qual os problemas da fundação estão na agenda de trabalhos.

Segundo Fernando Real, as dividas à fundação, por parte dos fundadores, ronda os 1,2 milhões de euros.

"A verba que entrou nos cofres na fundação proveniente das transferências corrente é de cerca de 688 mil euros", adiantou.

O problema já foi apresentado " exaustivamente" ao Governo para se viabilizar a fundação, ou outro modelo de gestão para manter o Museu do Côa e o parque Arqueológico do Vale do Côa.

A Lusa aguarda resposta a um pedido de esclarecimento feito à Secretaria de Estado da Cultura.

FYP // JGJ

Lusa/fim

twitter facebook Google plus Whatsapp imprimir

+ notícias: Norte

Faísca coloca armazém em chamas no Porto

Um incêndio consumiu parte de um armazém com produtos de artes gráficas na zona de Campanhã, no Porto, na tarde desta terça-feira. Até ao momento não há registo de feridos, apenas resultando em danos materiais. O foco de incêndio terá começado numa máquina elétrica de corte, que deu origem às chamas, que de imediato, os funcionários tentaram controlar com um extintor.

Homem que escravizava trabalhadores estrangeiros foi detido pela PJ do Porto

A PJ do Porto consegiu deter o alegado líder de uma rede de tráfico de pessoas que mantinha suas escravas, no sul do distrito de Bragança. Trabalhadores estrangeiros a quem era retirado o passaporte quando chegavam a Portugal, trabalhava 17 horas por dia na agricultura a troco de nada.

Renault vai investir cerca de 150 milhões de euros na fábrica de Cacia

A Renault vai investir cerca de 150 milhões de euros na fábrica de Cacia. A administração e os trabalhadores chegaram a acordo. Um acordo que prevê por exemplo a integração nos quadros de cerca de 150 funcionários que tinham contratros a prazo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS