Info

Impresa vende sede ao Novo Banco por 24,2 ME e financia obra de expansão

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 14 jun (Lusa) - A Impresa vendeu a sede em Paço de Arcos, Oeiras, ao Novo banco, a quem depois aluga novamente o edifício por 10 anos, uma operação de 24,2 milhões de euros, foi hoje anunciado ao mercado.

Fonte oficial da empresa dona da SIC e do Expresso explicou à agência Lusa que "esta operação servirá para pagar o empréstimo obrigacionista e para financiar a obra de expansão do edifício Impresa", que receberá a SIC.

"A Impresa - Sociedade Gestora de Participações Sociais alienou o edifício Impresa, em Paço de Arcos (Oeiras), ao Novo Banco, e que foi tomado em locação financeira pela Impresa, por um período de 10 anos. O montante envolvido na operação foi de 24,2 milhões de euros", anunciou a empresa num comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Em julho de 2014, a assembleia-geral de acionistas do grupo Impresa aprovou a contratação e emissão de um empréstimo obrigacionista até 30 milhões de euros, pelo prazo máximo de quatro anos, que vence, então, este ano.

Há cerca de um ano a Impresa cancelou a emissão de obrigações a subscrever por investidores qualificados num montante que podia chegar aos 35 milhões de euros, devido a alterações no setor dos media.

Até ao final do ano está a previsa a ida da SIC, atualmente em Carnaxide, para o edíficio Impresa, nas instalações de Paço de Arcos.

SP (SMS/ALU) // MSF

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Portugal com 2º maior excedente orçamental no 3º trimestre

Portugal registou o segundo maior excedente nas contas públicas (3,6% do PIB) na União Europeia (UE) no terceiro trimestre de 2018 e a maior subida face ao período anterior (6,4 pontos), segundo dados divulgados esta segunda-feira pelo Eurostat.

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.

Retenção na fonte de salários médios ainda não reflete totalmente mudança no IRS

As tabelas de retenção na fonte para 2019 vão aumentar o rendimento líquido de maioria dos contribuintes, mas não refletem ainda integralmente o efeito da reorganização dos escalões do IRS e descida de taxas observado em 2018, segundo a consultora Deloitte.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.