Jornal Diário Jornal das 13

Número de vítimas mortais dos fogos de outubro de 2017 sobe para 50

| País
Porto Canal com Lusa

Uma mulher vítima dos incêndios de outubro de 2017, que estava internada no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, morreu hoje, elevando para 50 o número de mortos resultantes daqueles fogos, disseram à Lusa fonte autárquica e fonte hospitalar.

A mulher, que tinha ficado com grande parte do corpo com queimaduras, inclusive vias respiratórias, foi inicialmente transportada, aquando dos fogos, da zona de Oliveira do Hospital para o hospital de S. José, em Lisboa, e posteriormente transferida para Coimbra, onde acabou por morrer.

A Câmara de Oliveira do Hospital já aprovou, entretanto, um voto de pesar pelo falecimento da vítima, que era funcionária da União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca da Beira, neste município do distrito de Coimbra.

Os incêndios de 2017 em Portugal provocaram pelo menos 116 vítimas mortais, entre as resultantes do fogo de Pedrógão Grande (distrito de Leiria), que deflagrou em 17 de junho, e dos incêndios de outubro na região Centro.

Cinquenta pessoas morreram e cerca de 70 ficaram feridas na sequência dos incêndios de outubro de 2017 na região Centro, que também destruíram total ou parcialmente cerca de 1.500 casas e mais de 500 empresas.

Das 50 vítimas mortais, 25 ocorreram no distrito de Coimbra (13 das quais no concelho de Oliveira do Hospital e as restantes 12 nos municípios de Arganil, Pampilhosa da Serra, Penacova e Tábua) e 17 em Viseu (Carregal do Sal, Mortágua, Nelas, Oliveira de Frades, Santa Comba Dão e Tondela).

Os restantes óbitos foram registados na autoestrada que liga Aveiro a Vilar Formoso (A25), nas zonas de Sever do Vouga (Aveiro) e de Pinhel (Guarda), e no concelho de Seia (Guarda).

No relatório que entregou em 20 de março na Assembleia da República, a comissão técnica independente que analisou os fogos de 15 e 16 outubro na região Centro atualizou para 48 o número de vítimas mortais (até então vinham a ser referenciadas 46), mas quatro dias depois morreu, no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, uma mulher que ficou "gravemente ferida" depois de as chamas terem atingido a casa onde vivia, no município de Mortágua, elevando então para 49 o total de falecimentos na sequência daqueles incêndios.

Com a morte registada hoje, eleva-se para 50 o número de mortos.

Em 17 de junho de 2017, as chamas que deflagraram no município de Pedrógão Grande, no interior do distrito de Leiria, e que alastraram a concelhos vizinhos, fizeram 66 mortos e 253 feridos, atingiram cerca de meio milhar de casas e quase 50 empresas, e devastaram 53 mil hectares de território, 20 mil hectares dos quais de floresta.

+ notícias: País

Governo mantém proibição de fogo-de-artifício nos distritos em alerta vermelho

O Governo esclareceu este domingo que até ao dia 22 de agosto, data até à qual vigora o alerta vermelho devido ao risco de incêndio em sete distritos, se mantém a proibição do uso de fogo-de-artifício.

Mais de 70 patrulhas militares reforçam prevenção de incêndios

Mais de 70 patrulhas militares (19 da Marinha e 53 do Exército), num total de 226 militares, estão no terreno desde este sábado e até ao dia 25 para apoiar a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) na prevenção de incêndios.

Famílias com bebés recém-nascidos recebem apoio de projeto solidário

Várias famílias carenciadas com bebés recém-nascidos, de Norte a Sul do país, estão a ser apoiadas durante um ano por um projeto inovador. O Porto Canal foi conhecer o caso do Moisés, um bebé de quatro meses que recebeu um cabaz com vários produtos, sendo que para os pais esta é uma ajuda preciosa.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

Olá Maria!

Trend(i) - diferentes tipos de bolsas...

N'Agenda

Exposição 'Amor com amor...