Info

Pedrógão Grande: Leitura simultânea de conto no Nodeirinho e em região italiana

| País
Porto Canal com Lusa

Pedrógão Grande, Leiria, 14 jun (Lusa) - A aldeia de Nodeirinho, em Pedrógão Grande, e a região italiana de Vale de Susa, também fustigada pelos fogos em 2017, recebem no domingo uma leitura simultânea do conto "O Homem que plantava árvores", de Jean Giono.

O evento, promovido em Portugal pela associação Apuro e em Itália pela Assemblea Teatro, evoca a tragédia dos incêndios de 2017, no dia em que se assinala um ano do grande fogo de Pedrógão Grande, numa iniciativa que tem como título "Palavras contra as chamas".

No domingo, atores e habitantes da aldeia vão fazer uma leitura conjunta do conto de Jean Giono, às 15:30, sendo que o mesmo se sucede em vários locais do Vale de Susa, região no norte de Itália, fortemente afetada pelo incêndios em outubro de 2017, disse à agência Lusa o diretor artístico da associação, Rui Spranger.

Já no sábado, vai decorrer outra leitura simultânea, também às 15:30, desta feita em sete livrarias do Porto, local onde está sediada a Apuro, e em diferentes espaços da cidade italiana de Turim.

No Porto, o conto vai ser lido por atores nas livrarias Lello, Poetria, Papa-Livros, na Fnac de Santa Catarina, na Confraria Vermelha, na Bertrand do Shopping Cidade do Porto e na Flâneur.

Segundo Rui Spranger, a leitura simultânea "é um gesto simbólico" e uma oportunidade também de se lançar o alerta sobre a importância da floresta, das árvores e da biodiversidade, bem como da relação do Homem com a natureza.

O conto "O Homem que plantava árvores", do escritor francês Jean Giono, foi "inspirado em acontecimentos verídicos", em torno da história de um homem que, sozinho e apenas com as suas mãos, criou uma floresta, ao longo de vários anos, disse.

"É um livro admirável que nos mostra como um homem humilde e insignificante aos olhos da sociedade, a viver longe do mundo e usando apenas os seus próprios meios, consegue reflorestar sozinho uma das regiões mais inóspitas e áridas de França", sublinha a associação Apuro.

Para Rui Spranger, é importante pensar-se numa "floresta diferente" e numa forma diferente de as pessoas se relacionarem com a natureza.

Para além desta iniciativa, a Apuro pretende também avançar com um evento semelhante, em outubro, em concelhos afetados pelos incêndios que se fizeram sentir em 2017, durante aquele mês.

"A arte pode servir para dar visibilidade ou angariar fundos, mas acho que há aqui também um marcar de uma posição", frisou Rui Spranger.

JYGA // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Tempo de espera nos CTT é principal causa de insatisfação dos clientes

Um inquérito da associação Deco a 1.800 clientes dos CTT revela que esperam, em média, 18 minutos para serem atendidos e que o tempo de espera é o que causa mais insatisfação.

Juízes denunciam condições indignas de trabalho em vários Tribunais do país, muitos deles no Norte

As queixas sobre o mau estado de diversos Tribunais do país levaram a que os presidentes das 23 comarcas escrevessem 3500 páginas detalhando situações como buracos por onde chove, casas de banho entupidas e até pragas de piolhos. Este é o cenário retratado pelos juízes numa análise que foi feita ao longo do ano passado e agora revelada sendo que muitos desses cenários acontecem em Tribunais do Norte do país.

Associação de Farmácias alerta que há medicamentos que estão esgotados há mais de um ano

A Associação Nacional de Farmácias alerta que há medicamentos que estão esgotados há mais de um ano. A Ministra da Saúde reconhece os problemas e garante que a situação vai ser resolvida. Os medicamentos em causa são para tratamento de doenças como Parkinson, hipertensão e diabetes.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

UNITE with Tomorrowland no Porto