Info

Washington espera que "essencial" do desarmamento norte-coreano ocorra até 2020

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Seul, 13 jun (Lusa) - Os Estados Unidos esperam que "o essencial do desarmamento nuclear" da Coreia do Norte ocorra até ao final do mandato de Donald Trump, "dentro de dois anos e meio", declarou hoje o chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo.

"Estamos esperançosos de conseguir isso nos próximos dois anos e meio", "durante o primeiro mandato do presidente", que termina em 2020, afirmou Pompeo em declarações aos jornalistas em Seul.

O secretário de Estado norte-americano disse ainda que o compromisso assumido na cimeira de Singapura, que reuniu o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, para "uma desnuclearização completa da península coreana" será "verificável e irreversível", como exigiam os Estados Unidos.

A administração norte-americana tem sido alvo de críticas dado que o texto assinado pelos dois dirigentes não inclui esses termos e tem sido considerado vago.

O presidente dos Estados Unidos e o líder norte-coreano tiveram na terça-feira um encontro histórico em Singapura, no final do qual Donald Trump disse estar preparado para iniciar uma nova etapa nas relações com a Coreia do Norte e Kim Jong-un comprometeu-se com a desnuclearização completa do arsenal de Pyongyang.

EO // MSF

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

761 mortos nos três países afetados pelo ciclone Idai

As autoridades identificaram até ao momento 761 mortos nos três países africanos que há dez dias foram afetados pela passagem do ciclone Idai.

Número de mortos contabilizados por Moçambique devido ao ciclone sobe para 417

O número de mortos contabilizados por Moçambique, devido ao ciclone Idai, subiu este sábado para 417, anunciaram hoje as autoridades.

Forças Democráticas Sírias anunciam fim do "califado" do Estado Islâmico na Síria

As Forças Democráticas Sírias anunciaram este sábado que o "califado" do grupo extremista Estado Islâmico (EI) foi totalmente eliminado, após combates em Bagouz, o último reduto 'jihadista' na Síria.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.