Jornal Diário Jornal das 13

Migrações: Combate ao fluxo tem que ser feito nos países de origem e de trânsito

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Estrasburgo, França, 13 jun (Lusa) -- O comissário europeu para as Migrações, Dimitris Avramopoulos, reiterou hoje que o combate ao fenómeno migratório tem que ser feito nos países de origem e de trânsito, de modo a reduzir fluxos e casos como o do navio Aquarius.

"Temos que evitar que as pessoas que fogem de catástrofes arrisquem a vida em viagens de alto risco, temos que reforçar as ações nos países de origem e de trânsito", disse o comissário, num debate no Parlamento Europeu (PE) sobre Emergências humanitárias no Mediterrâneo e solidariedade na União Europeia (UE).

Sobre o caso concreto da embarcação Aquarius, Avramopoulos salientou que "o mais importante é que as pessoas numa situação desesperada possam ser ajudadas e resgatadas", recusando-se a apontar responsabilidades e voltando a elogiar a ação do Governo espanhol, que ofereceu um porto de abrigo para o desembarque de refugiados.

Para Bruxelas, as respostas da UE ao problema migratório têm que ser "abrangentes e que envolvam todos os Estados-membros", com base nos princípios da solidariedade e da responsabilidade.

"Esperamos que todos os Estados-membros congreguem as suas forças para solucionar um problema conjunto, seja salvar as vidas no Mediterrâneo seja reforçar a proteção das fronteiras externas", acrescentou o comissário.

Na abertura do debate, o presidente do PE, Antonio Tajani, adiantou que os Estados-membros não conseguem resolver individualmente o problema do fluxo migratório, salientando que o "PE trabalhou intensamente e tem propostas concretas que quer ver analisadas pelos Estados-membros", nomeadamente no Conselho Europeu de 28 e 29 de junho.

O navio Aquarius, da organização não-governamental SOS Mediterranée, partiu na terça-feira para Espanha, escoltado por duas embarcações da Marinha italiana, com as quais repartiu os 630 migrantes que se encontravam a bordo.

No domingo, o navio foi proibido de atracar em Itália e, depois, em Malta, situação que só foi desbloqueada na segunda-feira com a oferta do primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, de acolher o navio em Valência.

IG (AMG) // MSF

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Novo balanço aponta para pelo menos 357 mortos após inundações em Kerala, Índia

Um novo balanço das autoridades indianas aponta para pelo menos 357 mortos na sequência das inundações que atingiram Kerala, na Índia, as mais graves em 100 anos naquele estado do sul do país.

Sismo de 6,3 atinge a ilha de Lombok, na Indonésia, o quarto em menos de um mês

Um novo sismo de magnitude 6,3 atingiu este domingo a ilha Lombok, na Indonésia, o quarto em menos de um mês, informaram os Serviços Geológicos dos Estados Unidos.

Autoridades espanholas resgatam 151 migrantes no mar

Cento e cinquenta e um migrantes, dos quais 20 mulheres e 34 crianças, foram levados para o porto de Málaga pelas autoridades marítimas de Espanha, após terem sido resgatadas de três embarcações no mar.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.