Jornal Diário Jornal das 13

Metade das províncias angolanas enfrentam situação de extrema gravidade de desnutrição

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Luanda, 13 jun (Lusa) - Angola está com uma taxa de "desnutrição crónica" na ordem dos 38%, com metade das províncias do país em situação de "extrema gravidade de desnutrição", onde se destaca o Bié com 51%", anunciaram hoje as autoridades.

A informação foi transmitida hoje pela chefe do Programa Nacional de Nutrição de Angola, Maria Futi Tati, durante um seminário de lançamento da "Plataforma Multissectorial de Nutrição em Angola", realizado, em Luanda, considerando a situação "muito séria e preocupante".

"O grau de desnutrição, principalmente a crónica, a nível do país é muito sério. Temos que trabalhar bastante, estamos com uma desnutrição crónica com uma taxa de 38% e o padrão preconizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é de menos de 20%", disse.

De acordo com a responsável, "nenhuma das 18 províncias angolanas está em normalidade nutricional", ou seja, "todas as províncias estão com problemas sérios de desnutrição", demonstrando que "o país está mal".

As províncias do Bié com 51%, Cuanza Sul com 49%, Cuanza Norte com 45% e o Huambo com 44% são, segundo Maria Futi Tati, as que apresentam maiores indicadores de desnutrição.

"São cerca de nove províncias que estão em situação de extrema gravidade de desnutrição, sete províncias em situação de prevalência elevada e duas províncias em situação de prevalência média", apontou.

Na ocasião, a chefe do Programa Nacional de Nutrição de Angola adiantou ainda que 64% das crianças angolanas padecem de "anemia grave", porque "muitas vezes a criança já nasce desnutrida e depois alimenta-se mal, muitas vezes faz apenas uma refeição por dia e depois evolui para a anemia".

Para inverter esse quadro, foi lançada a Plataforma Multissetorial de Nutrição em Angola, órgão que congrega diversos setores ministeriais, Organizações Não-Governamentais e parceiros internacionais.

"No sentido de traçarmos estratégias e políticas que possam vir a melhorar o estado nutricional. Para isso vamos trabalhar, coordenando ações, porque as questões de nutrição não dependem apenas do setor da Saúde", argumentou a responsável.

O quadro da malnutrição em Angola "deve envolver todos os atores, incluindo os políticos, pelo facto de o país ser ainda o terceiro da região austral do continente africano em situação de desnutrição crónica", salientou Maria Futi Tati.

"E isto compromete o crescimento e desenvolvimento das crianças, que a maior parte das vezes vêm já afetadas a partir do ventre das mães e temos que olhar aqui também para as mulheres grávidas, melhorando a alimentação e o seu estado nutricional", concluiu.

Por sua vez, o Secretário de Estado para a Saúde Pública de Angola, José Vieira Dias da Cunha, que discursava na cerimónia de abertura deste encontro, assumiu que a desnutrição crónica no país "é extremamente elevada", defendendo a conjugação de esforços para a sua inversão.

"A situação da desnutrição no nosso país exige de todos nós muita atenção e dedicação, pois o bom estado nutricional e de saúde são fatores incontestáveis para o desenvolvimento social e económico, portanto, a sua garantia advém de intervenções multissetoriais e de compromissos políticos assumidos", afirmou.

Com a criação dessa plataforma, sublinhou, "devemos concentrar as nossas ações no desenvolvimento integral das nossas crianças que é um foco do Executivo".

DYAS // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Novo balanço aponta para pelo menos 357 mortos após inundações em Kerala, Índia

Um novo balanço das autoridades indianas aponta para pelo menos 357 mortos na sequência das inundações que atingiram Kerala, na Índia, as mais graves em 100 anos naquele estado do sul do país.

Sismo de 6,3 atinge a ilha de Lombok, na Indonésia, o quarto em menos de um mês

Um novo sismo de magnitude 6,3 atingiu este domingo a ilha Lombok, na Indonésia, o quarto em menos de um mês, informaram os Serviços Geológicos dos Estados Unidos.

Autoridades espanholas resgatam 151 migrantes no mar

Cento e cinquenta e um migrantes, dos quais 20 mulheres e 34 crianças, foram levados para o porto de Málaga pelas autoridades marítimas de Espanha, após terem sido resgatadas de três embarcações no mar.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.