Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Governo dos Açores acompanha e avalia efeitos da seca prolongada na ilha Terceira

| Política
Porto Canal com Lusa

Ponta Delgada, Açores, 13 jul (Lusa) -- O Governo dos Açores garantiu hoje que está a acompanhar e a avaliar os efeitos da seca prolongada na ilha Terceira e caso seja necessário intervir para apoiar os agricultores nos prejuízos resultantes dessa situação.

Numa nota divulgada hoje pelo executivo açoriano, o secretário regional da Agricultura e Florestas refere que "o Governo dos Açores está a acompanhar e a avaliar, conjuntamente com a Associação Agrícola da Ilha Terceira, os efeitos da seca prolongada que está a atingir o setor agrícola".

O executivo acrescenta que "não se demitirá das suas responsabilidades caso seja necessário intervir para apoiar os agricultores nos prejuízos resultantes dessa situação".

"Confirmando-se uma situação de excecionalidade e de gravidade, o Governo Regional não se demitirá das suas responsabilidades", frisou João Ponte, aquando da inauguração do restaurante da Associação Agrícola da Ilha Terceira no Parque Multissetorial.

Segundo o governante, nas próximas semanas, será feita uma reavaliação da evolução da situação de seca, salientando que, se as condições atuais se agravarem, colocando em causa as sementeiras de milho em algumas zonas da ilha, o executivo "não deixará a lavoura da Terceira numa situação de maior fragilidade".

"Tivemos um mês de maio muito difícil, pois praticamente não choveu. Já estamos em meados de junho e apenas choveu nos dias 04 e 05, mas não com a mesma intensidade em todas as ilhas da Região", referiu, acrescentando que a situação em algumas zonas da ilha é particularmente "complexa".

APE // MSF

Lusa/fim

+ notícias: Política

Lançamento de balões no São João dependentes das condições meteorológicas

A Secretaria de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural disse esta quarta-feira à Lusa que está a acompanhar a evolução das condições meteorológicas “diariamente” e que o período crítico de incêndios pode ser “antecipado ou prorrogado” em função dessas condições.

Assunção Cristas critica renda acessível e é acusada por António Costa de ter causado "calamidade social"

A presidente do CDS-PP questionou esta quarta-feira o primeiro-ministro sobre os preços praticados na "renda acessível" e foi acusada por António Costa de ter provocado consistentemente, apesar dos avisos, uma "calamidade social" com a lei do arrendamento.

Câmara Municipal do Porto decide fazer debate sobre problemas da habitação na cidade

A Câmara Municipal do Porto vai fazer um grande debate sobre os problemas da habitação na cidade com o objetivo de partilhar ideias e encontrar soluções. A iniciativa partiu de Manuel Pizarro mas foi acolhida por todo o executivo camarário.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.