Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Sindicato dos Professores da Madeira suspende greve às avaliações

| País
Porto Canal com Lusa

Funchal, Madeira, 13 jun (Lusa) - O Sindicato dos Professores da Madeira (SPM) decidiu hoje, após consulta aos associados, suspender a greve às avaliações, depois de o Governo Regional ter apresentado uma proposta sobre a contagem do tempo de serviço para progressão na carreira.

Em conferência de imprensa, o coordenador do SPM, Francisco Oliveira, revelou que dos 504 docentes que responderam à auscultação promovida nas últimas 24 horas, via internet, pelo sindicato, 428 (84,9%)pronunciaram-se a favor do levantamento da greve e aceitaram que as negociações sejam iniciadas de imediato.

Segundo o mesmo dirigente, já está agendada para o dia 25 deste mês uma reunião entre o SPM e a Secretaria Regional da Educação.

A paralisação mantém-se, contudo, no Conservatório - Escola Profissional das Artes da Madeira, que tem um pré-aviso de greve próprio, estando a decorrer também uma consulta aos professores no sentido de averiguar se concordam ou não com a suspensão.

A ponderação sobre a suspensão da greve, que teve início na terça-feira, surgiu depois de a Secretaria Regional da Educação ter apresentado uma proposta para a contagem do tempo de serviço congelado para efeitos de progressão dos professores na carreira.

O sindicato diz ter registado "com agrado" a receção da proposta "que define os termos e a forma como se processa a recuperação do tempo de serviço prestado em funções docentes não contabilizado para efeitos de progressão".

A proposta do governo regional visa contabilizar o tempo de serviço entre 30 de agosto de 2005 e 31 de dezembro de 2007 (854 dias) e entre 01 de janeiro de 2011 e 31 de dezembro de 2017 (2.557 dias), num total de 3.411 dias.

EC // MLM

Lusa/Fim

+ notícias: País

Homem morre afogado em Tondela

Um homem de 25 anos morreu hoje afogado na zona da praia fluvial em Sangemil, concelho de Tondela, disse à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viseu.

Ordem dos Médicos diz que falta de obstetras pode deixar alguns hospitais sem partos

A Ordem dos Médicos avisa que a falta de obstetras pode afetar a assistência aos partos complicados dentro de semanas. Em causa estão as férias de Verão e o número reduzido destes especialistas nos hospitais públicos.

Cirurgias aumentaram 1,2% em 2017 e urgências diminuíram 1,4%

O número de cirurgias feitas no Serviço Nacional de Saúde aumentou 1,2% no ano passado, enquanto o número de episódios de urgência diminuiu 1,4%, segundo dados oficias hoje divulgados pelo Ministério da Saúde.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.