Info

Islandeses falham prazo para proposta de aquisição da Azores Airlines e pedem prorrogação

| Economia
Porto Canal com Lusa

Ponta Delgada, Açores, 16 jun (Lusa) -- A transportadora Loftleioir-Icelandic falhou o prazo para apresentação de uma proposta vinculativa para aquisição de 49% da Azores Airlines, tendo requerido uma prorrogação do prazo, que terminou às 00:00 de terça-feira, anunciou a SATA.

Segundo o grupo SATA, a prorrogação solicitada pela operadora de transporte aéreo islandesa foi justificada com a "necessidade de efetuar uma análise mais minuciosa à informação disponibilizada na 'data room' que contém informação relativa à operação de alienação".

A empresa tem agora até dia 26 para apresentar uma proposta, sendo que esta é segunda vez que pede uma prorrogação de prazo desde que foi selecionada.

Em declarações à agência Lusa, a 23 de abril, Erlendur Svavarsson, vice-presidente da Loftleidir Icelandic, do grupo Islandair, referiu que a operadora ainda não tinha decidido se iria entrar na segunda fase do processo de alienação da transportadora aérea açoriana.

O administrador confirmou que a empresa tinha apresentado uma "declaração de interesse" e que a empresa "foi informada de que cumpriu os requisitos de pré-qualificação estabelecidos".

"Isso significa que agora teremos acesso a mais informações sobre a empresa, para revisão e avaliação" e, "depois disso, decidiremos se a Loftleidir Icelandic entrará na segunda fase do processo", explicou Svavarsson à Lusa.

O grupo SATA anunciou em 17 de abril que a Loftleidir Icelandic foi pré-qualificada para a segunda fase do processo de negociação da alienação de 49% do capital social da Azores Airlines.

"Na sequência da análise da manifestação de interesse apresentada pela Loftleidir Icelandic, concluiu-se que o potencial comprador em causa demonstrou cumprir integralmente ambos os requisitos de pré-qualificação", lê-se no comunicado da SATA.

Ficou pré-qualificado o único potencial comprador que apresentou manifestação de interesse na Azores Airlines.

De acordo com o caderno de encargos da alienação de capital da operadora açoriana, o futuro acionista da Azores Airlines terá que "respeitar obrigatoriamente" a manutenção do plano de renovação da frota iniciado com o A321 NEO.

O candidato terá ainda de promover o "cumprimento da operação aérea regular mínima", sendo que esta contempla as ligações entre o continente e os Açores, nomeadamente as rotas liberalizadas entre Ponta Delgada e Lisboa, Ponta Delgada e Porto, Terceira e Lisboa, e Terceira e Porto.

O potencial interessado tem ainda de assegurar as ligações de obrigação de serviço público entre Lisboa e Horta, Lisboa e Pico, Lisboa e Santa Maria, Ponta Delgada e Funchal, bem como a ligação de Ponta Delgada com Frankfurt, a par das rotas a partir da Terceira e Ponta Delgada com Boston e Oakland, nos Estados Unidos, e Toronto, no Canadá.

O potencial comprador deve manter a identidade empresarial, a autonomia da operadora, a sua denominação social e a marca Azores Airlines, entre outros elementos de identificação, a par de um contributo para a empregabilidade local.

O capital social do grupo SATA é detido por um único acionista, a Região Autónoma dos Açores.

A Azores Airlines fechou o terceiro trimestre de 2017 com um prejuízo de 20,6 milhões de euros, estando ainda por fechar as contas finais do ano.

JAM // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.

Retenção na fonte de salários médios ainda não reflete totalmente mudança no IRS

As tabelas de retenção na fonte para 2019 vão aumentar o rendimento líquido de maioria dos contribuintes, mas não refletem ainda integralmente o efeito da reorganização dos escalões do IRS e descida de taxas observado em 2018, segundo a consultora Deloitte.

Preço das casas sobe 4,3% na zona euro no 3.º trimestre e em Portugal quase o dobro

O preço homólogo das casas aumentou 4,3% tanto na zona euro quanto na União Europeia (UE) no terceiro trimestre de 2018, com Portugal a registar uma subida de quase o dobro da média (8,5%), segundo o Eurostat.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.