Info

FITEI arranca para a 41.ª edição com “mais de 20 espetáculos” no Porto

| Norte
Porto Canal com Lusa

A 41.ª edição do Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (FITEI) arranca esta terça-feira e prolonga-se até 22 de junho, com “mais de 20 espetáculos”, distribuídos por cinco cidades, sendo o Porto a mais representada.

Atualizado 13-06-2018 11:57

O festival evoca este ano os “empoderamentos” em “mais de 20 espetáculos”, e expande-se a Vila Nova de Gaia, que se junta aos palcos habituais de Matosinhos, Viana do Castelo, Felgueiras e Porto, explicou, em maio, o diretor artístico, Gonçalo Amorim.

O Porto é a ‘casa’ do evento, sendo que esta autarquia o apoia com “110 mil euros”, revelou então o presidente, Rui Moreira, com vários espetáculos nos espaços do Teatro Municipal do Porto.

No Teatro Campo Alegre, o monólogo “Longe”, de Raquel S, abre o festival, com representações hoje e na quarta-feira, além de “Caranguejo Overdrive”, da brasileira Aquela Companhia, apresentada no Teatro Rivoli, nos mesmos dias, antes de ir à Casa das Artes de Felgueiras, no dia 16.

O Campo Alegre recebe ainda, no sábado e no domingo, “Margem”, a nova obra do português Victor Hugo Pontes, cujo guião tem como ponto de partida a obra “Capitães da Areia”, de Jorge Amado, adaptada por Joana Craveiro, “com um elenco de adolescentes”.

Também Marco Martins mostra, no Rivoli, “Provisional Figures – Great Yarmouth”, em estreia nacional, uma reflexão sobre o surto migratório português da última década.

Com duas récitas, agendadas para sexta-feira e sábado no Rivoli, a peça, estreada em 25 de maio no Festival de Norfolk e Norwich, foi criada a partir de um trabalho com um grupo de não-atores de Great Yarmouth, na maioria portugueses, a partir das experiências pessoais de imigrantes e locais, para refletir sobre a atualidade política.

Entre os destaques desta edição está a produção mexicana “Mendoza”, de Los Colochos, que é apresentado no dia 20 de junho, pelas 21:00, no Teatro Nacional São João e no Teatro Municipal Sá de Miranda, em Viana do Castelo, no dia 22.

O espetáculo, desenvolvido a partir de um laboratório de criação cénica promovido em vários bairros na Cidade do México, entre 2007 e 2013, segue a saga do general José Mendoza, numa adaptação de “Macbeth”, de Shakespeare, para o contexto da revolução mexicana de 1910, pelo encenador Juan Carrillo.

Entre as obras apresentadas no TNSJ, nota ainda para a estreia, na quarta-feira, dia 13 deste mês, da produção própria de “Lulu”, encenada por Nuno M. Cardoso, a partir de Frank Wedekind, em cena no Teatro Carlos Alberto.

À margem dos espetáculos estão ainda várias oficinas, de escrita dramatúrgica à criação colaborativa e internacionalização de projetos, além de um concerto para a Síria, no dia 21, da responsabilidade da Escola Superior Artística do Porto, e dos vários lançamentos de revistas especializadas ou dos debates e de conversas após as récitas.

Em setembro e outubro, o festival volta por um período breve com “programação extra”, devido aos atrasos na receção dos apoios da Direção-Geral das Artes (DGArtes) para a edição de 2018, no valor de 203 mil euros.

No Convento Corpus Christi, em Gaia, e nos dias 14 e 15 de setembro, a chilena Paula Aros Gho vai apresentar “Correo”, num dos momentos da ‘extensão’ temporal do festival.

A residência artística do argentino Federico León “Yo Escribo, Vos Dibujás” realiza-se de 07 a 14 de outubro, no Porto, com a intenção de trabalhar com atores portugueses e estrear uma nova obra no FITEI de 2019.

A 41.ª edição do FITEI arranca hoje e estende-se até 22 de junho, antes de um “período de programação extra”, em setembro e outubro, e inclui mais de 20 espetáculos divididos por espaços em cinco cidades diferentes.

+ notícias: Norte

Estrada A29 reaberta nove horas depois de ter sido cortada em Gaia

A circulação no sentido sul/norte da A29, em São Félix da Marinha (Gaia), foi esta terça-feira retomada às 16h20, nove horas após o corte devido a um acidente com um pesado e cinco ligeiros, disseram fontes oficiais.

Leça da Palmeira: Monte de Santana pode estar a colocar em risco moradores

Os moradores que vivem junto ao Monte de Santana, em Leça da Palmeira, estão alarmados com a constante queda de pedras do talude. A Câmara Municipal de Matosinhos diz que essa parte do terreno é responsabilidade dos moradores e não da autarquia mas garante que não há perigo de derrocada. Ainda assim, quem ali mora, sente-se inseguro.

Greve paralisou Metro do Porto com adesão de "98 a 99%"

A greve desta segunda-feira dos "cerca de 200" profissionais da ViaPorto ao serviço da Metro do Porto teve uma "adesão entre os 98% e os 99%", levando a uma paralisação quase total, segundo o sindicato.

Atualizado 11-12-2018 11:30

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.