Info

Portugal colocou 1.000 ME de dívida a longo prazo a juros mais altos

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 13 jun (Lusa) -- Portugal colocou hoje mil milhões de euros em dois leilões de Obrigações do Tesouro (OT) a cinco e dez anos, pagando mais do que nos anteriores leilões comparáveis, fruto de uma maior instabilidade da zona euro.

De acordo com os dados da agência financeira Bloomberg, nas obrigações com maturidade em outubro de 2023, Portugal emitiu 412 milhões de euros e pagou uma taxa de juro de 0,746%, acima dos 0,529% que pagou na emissão comparável anterior há cerca de um mês.

A procura superou em 2,7 vezes a oferta, sendo que, na operação anterior, este rácio tinha sido de 2,79 vezes.

Portugal emitiu ainda 588 milhões de euros em títulos de dívida a dez anos, com a taxa de juro fixar-se em 1,919%, acima dos 1,67% que pagou na operação comparável.

A procura superou em 2,28 vezes a oferta, tal como na emissão do início de maio.

Os juros da dívida portuguesa têm vindo a aliviar nas últimas sessões, depois de terem disparado em resultado da tensão política na Europa, com a mudança de governo em Espanha e o novo Executivo em Itália.

A juntar-se a esta tensão, está ainda a expectativa dos investidores em torno do que irá fazer o BCE, que aguardam pela reunião de política monetária de quinta-feira.

O BCE deverá deixar as taxas de juro inalteradas na próxima reunião de política monetária, com os analistas ouvidos pela Lusa à espera de indicações mais claras sobre o final do programa de compra de ativos.

ICO // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.

Retenção na fonte de salários médios ainda não reflete totalmente mudança no IRS

As tabelas de retenção na fonte para 2019 vão aumentar o rendimento líquido de maioria dos contribuintes, mas não refletem ainda integralmente o efeito da reorganização dos escalões do IRS e descida de taxas observado em 2018, segundo a consultora Deloitte.

Preço das casas sobe 4,3% na zona euro no 3.º trimestre e em Portugal quase o dobro

O preço homólogo das casas aumentou 4,3% tanto na zona euro quanto na União Europeia (UE) no terceiro trimestre de 2018, com Portugal a registar uma subida de quase o dobro da média (8,5%), segundo o Eurostat.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.