Jornal Diário Jornal das 13

Medo das coimas leva à venda de propriedades em Pedrógão Grande

Medo das coimas leva à venda de propriedades em Pedrógão Grande
| País
Porto Canal com Lusa

Proprietários da zona afetada pelo grande incêndio de Pedrógão Grande começaram a contactar imobiliárias para pôr terrenos à venda com medo das coimas por falta de limpeza, contou um agente imobiliário da região.

Depois do grande incêndio de junho, um dos gerentes da imobiliária Casa Serta, João Filipe, não registou qualquer aumento de interesse dos proprietários em vender prédios rústicos.

A situação mudou há cerca de um mês, quando se começou a falar da limpeza dos terrenos e da aplicação de coimas a proprietários que não cumprissem a lei, disse à agência Lusa o agente imobiliário.

"Na altura, depois dos incêndios, estavam na expectativa de receber algum apoio ou não queriam simplesmente vender. Agora, como se fala em coimas, todos os dias recebemos telefonemas de pessoas que querem pôr propriedades à venda", afirmou.

Segundo João Filipe, os proprietários pretendem vender os terrenos por diversas razões, nomeadamente por terem feito a limpeza ou pago por ela e agora "é como se não tivesse sido feita" por causa da chuva.

"Desanimaram", refere, apontando como outras razões os poucos incentivos que há para reflorestação nessas propriedades rústicas, quer de cultivo, quer florestais.

De acordo com o agente imobiliário, agora, em média, recebe um telefonema por dia e dois proprietários vão até à agência a pedir informações, quando antes passava-se dias sem aparecer ninguém a querer colocar à venda um terreno.

"As pessoas não queriam vender as coisas dos familiares", aclarou, considerando que o número de pessoas a querer vender prédios rústicos deverá continuar a aumentar.

Já Fernando Fernandes, da Esfera Real, imobiliária também da região, refere que não regista grande alteração nesse mercado - é um produto que não trabalha muito -, mas nota que há cada vez mais situações "em que as pessoas quase que dão o terreno só para não terem a responsabilidade de os ter de limpar".

"Gastam 400 ou 500 euros para limpar, quando de dez em dez anos, se calhar o terreno dá 1.000 euros em madeira", referiu.

Ricardo Pinto, da CidadeXL, sediada na Lousã, notou um "pequeno aumento, mas nada de exponencial".

No entanto, considerou que "é provável que aumente" o número de pessoas a querer vender prédios rústicos, bem como uma redução do valor desses mesmos terrenos.

+ notícias: País

Governo mantém proibição de fogo-de-artifício nos distritos em alerta vermelho

O Governo esclareceu este domingo que até ao dia 22 de agosto, data até à qual vigora o alerta vermelho devido ao risco de incêndio em sete distritos, se mantém a proibição do uso de fogo-de-artifício.

Mais de 70 patrulhas militares reforçam prevenção de incêndios

Mais de 70 patrulhas militares (19 da Marinha e 53 do Exército), num total de 226 militares, estão no terreno desde este sábado e até ao dia 25 para apoiar a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) na prevenção de incêndios.

Famílias com bebés recém-nascidos recebem apoio de projeto solidário

Várias famílias carenciadas com bebés recém-nascidos, de Norte a Sul do país, estão a ser apoiadas durante um ano por um projeto inovador. O Porto Canal foi conhecer o caso do Moisés, um bebé de quatro meses que recebeu um cabaz com vários produtos, sendo que para os pais esta é uma ajuda preciosa.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.