Jornal Diário Jornal das 13

Portugal recebe pela primeira vez, em julho e agosto, reunião magna de esperantistas

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 13 jun (Lusa) - Portugal recebe pela primeira vez, em julho e agosto, uma reunião magna de esperantistas, onde durante uma semana uma 'babel' de países vai falar numa só língua, a que se apresenta como internacional mas falada por uma minoria.

O Congresso Universal de Esperanto, onde são esperados 1.800 participantes de 74 países, decorrerá em Lisboa entre 29 de julho e 04 de agosto, com um programa de atividades que inclui palestras temáticas sobre história, cultura, linguística, demografia ou mesmo astrofísica em que o único idioma permitido é o esperanto.

Para o presidente da Associação Portuguesa de Esperanto (APE), José Gaspar Martins, trata-se de "repor um bocadinho a justiça", uma vez que Portugal era um dos poucos países da Europa Ocidental onde a iniciativa centenária ainda não se tinha realizado.

Durante o congresso haverá oportunidade para um jogo de futebol entre uma equipa de Cabo Verde e uma de esperantistas, com arbitragem em esperanto.

Na mesma semana, esperantistas irão pôr à prova os seus conhecimentos submetendo-se a exames que lhes darão o certificado de aptidão concedido pela autoridade máxima na língua, a Associação Universal de Esperanto, que organiza o congresso, em colaboração com a congénere portuguesa.

O esperanto, reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) por aproximar raças e povos, foi criado pelo oftalmologista polaco Ludwik Lejzer Zamenhof, em 1887.

Estima-se que falem fluentemente a língua dois milhões de pessoas em todo o mundo. Em Portugal, serão cerca de uma centena, segundo o presidente da APE, José Gaspar Martins.

Entre os esperantistas portugueses há gente mais velha, que aprendeu esperanto na APE, antes do 25 de Abril de 1974, e gente mais nova, que se socorreu dos cursos disponíveis na internet.

"Há muita gente ligada à informática e à matemática", conta José Gaspar Martins à Lusa, salientando que o esperanto é uma língua com "muito raciocínio lógico" e fácil de aprender.

"Tem 16 regras, sem exceções, e não é preciso uma memória extraordinária para se decorar vocabulário. Cada letra corresponde a um som. Sabendo-se como se diz, sabe-se como se escreve", sublinha.

Não sendo uma mistura de línguas, o esperanto tem origem em vários registos linguísticos - latino, germânico e eslavo. A língua portuguesa está entre os idiomas com mais vocábulos parecidos com o esperanto.

Ainda que facultativo, o ensino do esperanto não está disseminado no mundo, muito menos em Portugal, onde, na década de 90, uma petição da APE a favor do ensino experimental da língua nas escolas secundárias não deu frutos.

José Gaspar Martins chegou a dar aulas de esperanto, há 20 anos, a uma turma de 30 pessoas na Universidade de Aveiro, onde é professor e integra o Grupo de Estudos em Território e Inovação. Desistiu, não por falta de alunos, mas, assegura, por falta de tempo.

Wilson Brígido, professor na Escola Secundária Camões, em Lisboa, onde tentou, sem sucesso, manter o ensino do esperanto como atividade extracurricular, aprendeu a língua quando ainda era estudante na Universidade de Fortaleza, no Brasil, de onde é natural.

O que o atraiu no esperanto foi a designação com que era apresentado o idioma numa lista de vários ensinados na universidade a título opcional, a de ser uma "língua internacional" que, sustenta, ao contrário das línguas de cada país ou região, "não carrega uma cultura específica".

"Pareceu-me mais justo", afirmou à Lusa.

Brígido, que ensina esperanto a sete alunos, maioritariamente seniores, numa associação em Lisboa, lamenta que a falta de "discussão e decisão política" tenha impedido, ao longo dos anos, que a língua surgisse como "um candidato" a idioma verdadeiramente comum no mundo, de todos, que superasse as barreiras linguísticas entre nações, tal como quis o seu mentor há 131 anos.

O Congresso Universal de Esperanto, que para os esperantistas é uma forma de manter viva a língua, realiza-se anualmente, desde 1905, tendo sido interrompido durante a I e a II guerras mundiais.

Em Portugal, a iniciativa terá como palco principal a reitoria e a Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e o alto patrocínio do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, além de uma comissão de honra liderada pelo ex-Presidente da República Ramalho Eanes.

ER // JMR

Lusa/Fim

+ notícias: País

Proteção Civil prolonga alerta vermelho até quarta-feira

A Autoridade Nacional de Proteção Civil anunciou hoje que vai prolongar o alerta vermelho em sete distritos do país até quarta-feira devido ao aumento do número de ocorrências que se tem registado.

Jovem morre afogado na barragem da Aguieira em Santa Comba Dão

Um jovem foi encontrado morto às 00:30 de hoje depois de se ter afogado na barragem da Aguieira, no concelho de Santa Comba Dão, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro.

Cerca de 60 concelhos de 13 distritos do continente em risco máximo

Cerca de 60 concelhos de 13 distritos de Portugal continental apresentam hoje risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Olá Maria!

Trend(i) - diferentes tipos de bolsas...

N'Agenda

Exposição 'Amor com amor...