Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Alfama vence novamente as Marchas Populares de Lisboa

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 13 jun (Lusa) -- A marcha de Alfama venceu novamente as Marchas Populares de Lisboa, anunciou hoje a Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC), responsável pela organização da iniciativa.

Tal como no ano passado, o segundo lugar foi atribuído à marcha do Bairro Alto e o terceiro à marcha da Madragoa.

Este ano, as Marchas Populares de Lisboa celebravam os 120 anos do nascimento do ator lisboeta Vasco Santana (1898-1958).

Segundo a EGEAC, as marchas foram avaliadas com uma pontuação de 0 a 20 e em dois momentos.

Primeiro, na Altice Arena, nos dias 01, 02 e 03 de junho, e na Avenida da Liberdade, na passada noite de Santo António.

As categorias avaliadas foram as de Melhor Coreografia, Cenografia, Figurino, Letra, Musicalidade, Composição Original e Desfile da Avenida.

A marcha de Alfama destacou-se "sozinha" em várias categorias, como coreografia, musicalidade e melhor composição original, com a canção de Alfama, indicou a EGEAC.

A marcha vencedora deste ano, que repete o feito pela terceira vez consecutiva, partilhou a vitória nas categorias de melhor figurino com o Bairro Alto e Carnide, e a de melhor letra com Madragoa.

Alcântara venceu na categoria de cenografia e as marchas do Bairro Alto e da Madragoa venceram na categoria de desfile da avenida, anunciou a EGEAC.

A 86.ª edição das Marchas Populares de Lisboa contou com a participação de 23 marchas: São Vicente, Alfama, Olivais, Marvila, Ajuda, Lumiar, São Domingos de Benfica, Alcântara, Benfica, Belém, Boavista, Madragoa, Mouraria, Bica, Graça, Bela-Flor Campolide, Carnide, Castelo, Penha de França, Campo de Ourique, Alto do Pina, Bairro Alto e Santa Engrácia.

Este ano, a iniciativa conta com a marcha convidada de Vila da Lousã.

FST // EJ

Lusa/Fim

+ notícias: País

Homem morre afogado em Tondela

Um homem de 25 anos morreu hoje afogado na zona da praia fluvial em Sangemil, concelho de Tondela, disse à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viseu.

Ordem dos Médicos diz que falta de obstetras pode deixar alguns hospitais sem partos

A Ordem dos Médicos avisa que a falta de obstetras pode afetar a assistência aos partos complicados dentro de semanas. Em causa estão as férias de Verão e o número reduzido destes especialistas nos hospitais públicos.

Cirurgias aumentaram 1,2% em 2017 e urgências diminuíram 1,4%

O número de cirurgias feitas no Serviço Nacional de Saúde aumentou 1,2% no ano passado, enquanto o número de episódios de urgência diminuiu 1,4%, segundo dados oficias hoje divulgados pelo Ministério da Saúde.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

IV Festival de Guitarra de Amarante