Info

Pedrógão Grande: Todas as primeiras habitações afetadas estão em obra ou concluídas

| País
Porto Canal com Lusa

Figueiró dos Vinhos, Leiria, 12 jun (Lusa) - Todas as primeiras habitações afetadas pelo fogo de Pedrógão Grande estão em obra ou concluídas, afirmou hoje o ministro do Planeamento, realçando que a reconstrução feita no terreno é um resultado "à altura daquilo que as populações merecem".

Segundo o ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, 60% das habitações permanentes afetadas já estão reconstruídas, decorrendo obras nas restantes, sendo que os cinco casos que faltavam avançar no início deste mês já estão em execução.

Para o membro do Governo, ao fim de um ano registarem-se "mais de cerca de 150 casas reconstruídas e ter as outras 100 em obra é um resultado à altura daquilo que as populações merecem", garantindo que o executivo tudo faz para que "as coisas andem depressa".

O ministro falava durante uma visita aos três concelhos mais afetados pelo grande incêndio de junho (Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos), onde reparou, na visita às casas, que "há uma esperança que está a renascer" no território.

Nas Sarzedas do Vasco, em Castanheira de Pera, José Vicente abriu a porta ao ministro, mas puxou a chave para o lado contrário, porque ainda não ganhou o hábito à nova casa.

"Lá para o fim do mês, espero mudar-me para aqui", contou a Pedro Marques o habitante que, durante o incêndio, viu-se encurralado pelas chamas e andou quase 200 metros de gatas para escapar ao fogo.

A casa antiga tinha tudo de madeira - das portas às janelas - e quando o fogo pegou "nunca mais largou", afirmou José Vicente, que vai preparando as coisas para se mudar para a casa reconstruída, na companhia do seu gato e cão, que também escaparam às chamas.

Já em Vale Vicente, Figueiró dos Vinhos, o ministro pôde constatar o sorrido de Isilda Henriques, que vai vendo a sua casa a ganhar forma.

"A casa é muito gira e muito jeitosa, melhor do que aquela que a gente tinha", disse aos jornalistas a habitante daquela aldeia que, em conversa com o ministro, aproveitou para lhe pedir um "barracãozinho para a lenha do inverno" e um galinheiro, que desapareceu com o fogo, mais as galinhas e os coelhos que lá tinha.

Dirigindo-se a Pedro Marques, o marido de Isilda, Aires Henriques, sublinhou que a esposa "está desertinha" para se mudar para a casa, onde no terreno já têm pepinos, pimentos, tomates, bem como uma laranjeira e um abrunheiro.

A casa foi desenhada com a ajuda do coletivo "Trabalhar com os 99%", num trabalho que envolveu o casal, que foi dando sugestões, nomeadamente a entrada da casa, com um pequeno telheiro, à imagem da casa do filho, onde Isilda se pudesse sentar, "com as suas flores à volta, e estar ali a ver a vida passar", contou à agência Lusa o arquiteto Tiago Saraiva.

"É importante que a arquitetura sirva para isto: ajudar as pessoas a começarem a projetar-se no futuro, para que sintam que têm uma vida futura que possa ser mais bem vivida", vincou o arquiteto.

JYGA // MCL

Lusa/Fim

+ notícias: País

Mulher de 84 anos morre em incêndio na sua habitação em Viseu

Uma mulher de 84 anos de idade morreu este domingo na sequência de um incêndio no apartamento onde residia, na cidade de Viseu, e do qual seria a única a habitante.

Fidelidade regista maior número de participação de sempre após tempestade Leslie

A seguradora Fidelidade anunciou ter recebido mais de 5000 participações de ocorrências na sequência da tempestade Leslie, o maior sinistro de sempre em número de participações na história da seguradora.

Ryanair revela que fotografia dos tripulantes a dormir no chão foi encenada

Afinal foi encenada a fotografia dos tripulantes da Ryanair a dormir no chão de um aeroporto. A situação é demonstrada pela própria companhia aérea, ao divulgar as imagens da videovigilancia. O sindicato diz que a foto foi um gesto de protesto contra as más condições dadas à tripulação e acusa a Ryanair de ilegalidade na divulgação do vídeo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.