Info

Empresas públicas e Estado português demoram 86 dias a pagar faturas

Empresas públicas e Estado português demoram 86 dias a pagar faturas
| Economia
Porto Canal com Lusa

O setor público em Portugal demora uma média de 86 dias a pagar faturas, essencialmente devido à "situação financeira", sendo um dos países europeus com maiores atrasos, ficando apenas à frente de Itália, segundo um relatório conhecido esta terça-feira.

O European Payment Report 2018, um relatório anual que analisa o comportamento de pagamentos das empresas e do Estado, concluiu que Portugal é "um dos dois países europeus onde os atrasos de pagamento no setor público são mais dilatados".

"O setor público em Portugal demora 86 dias a efetuar os seus pagamentos, sendo ultrapassado apenas pela Itália, com 104 dias", precisa a empresa de gestão de créditos Intrum, em comunicado sobre os resultados do estudo.

Questionados sobre os motivos dos atrasos nos pagamentos, 72% dos inquiridos nacionais apontam a "situação financeira dos seus clientes como o principal motivo, uma percentagem igualmente superior à média europeia de 62%".

"Segue-se o atraso de pagamento intencional, referido por 59% das empresas que responderam ao inquérito, valor também superior à média europeia que se situa nos 48%", indica a empresa.

Acrescem causas como a "ineficiência administrativa dos clientes", "um motivo que teve um crescimento significativo em Portugal, passando dos 49% em 2017, para 55% em 2018, valor também superior à média europeia que se situa nos 45%".

"A ineficiência administrativa poderá estar relacionada com a falta de contratação de mais trabalhadores nas empresas e a existência de procedimentos adequados", observa a Intrum.

Ao todo, foram inquiridas 9.607 empresas de 29 países europeus entre janeiro e março de 2018.

Destes, só oito países cumprem a diretiva europeia e pagam a menos de 30 dias aos seus fornecedores, entre os quais a Eslováquia (29 dias), Noruega (26), República Checa, Estónia, Dinamarca e Finlândia (25), Reino Unido (23) e a Letónia (18 dias).

"A média europeia de pagamentos no setor público continua a ser elevada, situando-se nos 40 dias e descendo apenas um dia face ao período homólogo de 2017, que era de 41 dias", nota a empresa que realizou o estudo.

Citado pela nota, o diretor-geral da Intrum Portugal, Luís Salvaterra, realça que, ainda assim, "este ano já se verificou uma diminuição desse prazo [no país], passando de 95 dias em 2017 para 86 dias em 2018".

"E, comparando os últimos cinco anos, Portugal tem revelado uma evolução positiva", adianta.

+ notícias: Economia

Retenção na fonte de salários médios ainda não reflete totalmente mudança no IRS

As tabelas de retenção na fonte para 2019 vão aumentar o rendimento líquido de maioria dos contribuintes, mas não refletem ainda integralmente o efeito da reorganização dos escalões do IRS e descida de taxas observado em 2018, segundo a consultora Deloitte.

Preço das casas sobe 4,3% na zona euro no 3.º trimestre e em Portugal quase o dobro

O preço homólogo das casas aumentou 4,3% tanto na zona euro quanto na União Europeia (UE) no terceiro trimestre de 2018, com Portugal a registar uma subida de quase o dobro da média (8,5%), segundo o Eurostat.

Despesa efetiva do SNS atinge 10 mil milhões e sobe 12% face a 2015

A despesa efetiva do Serviço Nacional de Saúde terá atingido em 2018 cerca de 10 mil milhões de euros, um crescimento de 12% face a 2015, segundo dados do Governo em contraponto a um relatório do Tribunal de Contas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.