Info

Alunos protestaram no Porto contra exames nacionais

| Norte
Porto Canal com Lusa

Os alunos da Escola Secundária Aurélia de Sousa, no Porto, manifestaram-se esta quarta-feira em frente ao estabelecimento de ensino para exigir, entre outras reivindicações, o fim dos exames nacionais.

Atualizado 06-06-2018 15:30

Em declarações à Lusa, o porta-voz dos estudantes disse que os alunos pretendem “uma renovação completa no ensino secundário, porque compreendem que saímos daqui formatados, sem saber como entrar no mercado de trabalho”.

“Os exames nacionais são um completo entrave para os alunos do ensino público, sabemos que os alunos do privado tem privilégio nos exames nacionais, não aceitamos isso”, afirmou Afonso Santos.

Apesar de a “Aurélia de Sousa”, com cerca de dois mil alunos, ser “uma escola privilegiada, com um corpo docente com bom currículo”, Afonso Santos disse que o movimento estudantil “sabe perfeitamente que as escolas no interior, ou seja milhares de estudantes, não têm as mesmas condições”.

“Não é por nós termos condições superiores que não vamos lutar contra os exames nacionais”, frisou.

O “foco principal” deste protesto são os exames nacionais, mas “temos também em vista problemas como a falta de investimento, a falta de funcionários e a falta de valorização salarial dos funcionários, a redução da carga horária e o descongelamento das carreiras do professores, porque logicamente um professor bem pago terá gosto em trabalhar”, sublinhou.

Segundo explicou à Lusa a manifestação de hoje foi decidida no âmbito de uma Reunião Geral de Alunos (RGA), com a participação de 350 alunos.

Nessa RGA, “aprovamos uma moção contra os exames nacionais que foi aprovada por 249 alunos”, disse.

“Essa moção com a nossa posição de repúdio aos exames nacionais já foi aprovada por sete associações de estudantes aqui no Porto e já seguiu para escolas de Lisboa, Leiria e Póvoa de Varzim, entre outras. O objetivo é recolher centenas de assinaturas para levar a moção avante”, acrescentou.

+ notícias: Norte

Imposto das Finanças deixa paróquia de Paço de Sousa, em Penafiel, com penhora de 1300 euros

As Finanças estão a cobrar a instituições ligadas à igreja a chamada taxa mortágua aplicada aos contribuintes com maior riqueza. É o caso da Igreja Paroquial de Paço de Sousa em Penafiel. O Fisco penhorou mais de 1300 euros em dívida por uma avaliação que é considerada ilegal pela instituição.

Incêndio em vacaria da Póvoa de Varzim matou 500 vacas

Um incêndio numa vacaria na Póvoa de Varzim, no distrito do Porto, provocou esta terça-feira a morte de 500 animais, disse à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro do Porto (CDOS).

35 pessoas e 21 empresas começaram a ser julgadas por lesarem o Fisco em mais de 70 milhões de euros

Esta segunda-feira 35 pessoas e 21 empresas começaram a ser julgadas por lesarem o Fisco em mais de 70 milhões de euros com um esquema de compra e venda de ouro. Na próxima audiência que está marcada para o dia 19 de novembro vão ser ouvidos cinco arguidos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.