Info

Expo98: Linha Vermelha do Metro estreou composições de seis carruagens em Lisboa

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 18 mai (Lusa) -- A 19 de maio de 1998, três dias antes da abertura da Expo'98, era inaugurada em Lisboa a linha Vermelha do Metro, entre Alameda e Oriente, com composições de seis carruagens para transportar milhares de visitantes à exposição mundial.

De acordo com o Metropolitano de Lisboa, a abertura deste troço foi "um marco particularmente importante" na história deste meio de transporte, pois tratava-se da primeira linha "completamente independente" a ser inaugurada desde a entrada em exploração da rede, em 1959.

O novo troço tinha, então, uma extensão de cinco quilómetros e incluía sete novas estações: Alameda II, Olaias, Bela Vista, Chelas, Olivais, Cabo Ruivo e Oriente.

As obras da linha Vermelha tiveram início em maio de 1995, com a abertura de um poço na Alameda, por onde entrou a tuneladora para fazer as escavações em túnel.

O valor da extensão da rede do Metro entre a Alameda e o Oriente foi de cerca de 332 milhões de euros, de acordo com dados da empresa.

Mais tarde, precisamente em 17 de julho de 2012, foram inauguradas mais três estações: Moscavide, Encarnação e Aeroporto, acrescentando uma extensão de 3,3 quilómetros à rede do Metro.

De forma a disponibilizar uma oferta que assegurasse o transporte de milhares de turistas à Exposição Mundial de 1998, no Parque das Nações, entraram em exploração, pela primeira vez no Metro de Lisboa, composições de seis carruagens.

Atualmente, a estação com maior movimento na linha Vermelha é a do Oriente -- que tem interface com comboio e rede de autocarros expressos -, sendo que a média de passageiros diários na linha Vermelha, que liga o Aeroporto a São Sebastião, é de 99.698 utilizadores, de acordo com dados da empresa.

Todas as estações da linha Vermelha do Metro são dotadas de interiores modernos e cheios de design, criados por arquitetos e artistas de renome.

O projeto arquitetónico da estação do Metro do Oriente, que dava acesso à Exposição Mundial, foi da autoria do arquiteto Sanchez Jorge e o seu interior está decorado com obras de arte de artistas do mundo inteiro que perpetuam, até aos nossos dias, a Expo'98 e o seu tema: a preservação dos oceanos.

Foram convidados pelo Metropolitano de Lisboa 11 artistas de renome internacional, representantes dos cinco continentes, dos quais cinco são europeus, três asiáticos, um africano, um norte-americano e um australiano, para criarem obras para aquela estação.

Em Portugal, a responsabilidade recaiu no artista Joaquim Rodrigo, com o painel de azulejos 'Praia do Vau'. Sendo a sua derradeira obra, Joaquim Rodrigo deixou indicações que fosse o artista plástico Querubim Lapa a transpô-lo para azulejo e a integra-lo na estação.

O painel de azulejo que ocupa as duas paredes do topo sul da estação, de cada lado do cais, é da responsabilidade do argentino António Ségui.

O artista Raza (Índia) salienta em azulejos os elementos essenciais dos Oceanos, enquanto o trabalho de Erro (Islândia) versa a temática dos mitos e lendas ligados ao mar e também grandes episódios marítimos como as expedições portuguesas e a tragédia do Titanic.

O painel de Zao Wou Ki (China) transmite a serenidade dos oceanos, enquanto Yagou-Kussuma (Japão), também com um trabalho em azulejo, ocupa as duas paredes do topo Norte da estação de cada lado da linha férrea.

Arthur Bogd (Austrália), com uma intervenção em azulejo, compôs uma marinha em tons suaves, enquanto Sean Scullg (Irlanda) deixou um painel em azulejo de estética abstrata. Hundertwasser (Áustria), com uma intervenção plástica em azulejo, denominada "Submersão da Atlântida", representou o mítico continente desaparecido.

Por seu lado, Abdoulage Konaté (Mali) tem igualmente uma intervenção em azulejo e a polaca Magdalena Abakanowicz fez uma escultura de grandes dimensões em bronze denominada "Fish".

RCP // MCL

Lusa/fim

+ notícias: País

Mulher de 84 anos morre em incêndio na sua habitação em Viseu

Uma mulher de 84 anos de idade morreu este domingo na sequência de um incêndio no apartamento onde residia, na cidade de Viseu, e do qual seria a única a habitante.

Fidelidade regista maior número de participação de sempre após tempestade Leslie

A seguradora Fidelidade anunciou ter recebido mais de 5000 participações de ocorrências na sequência da tempestade Leslie, o maior sinistro de sempre em número de participações na história da seguradora.

Ryanair revela que fotografia dos tripulantes a dormir no chão foi encenada

Afinal foi encenada a fotografia dos tripulantes da Ryanair a dormir no chão de um aeroporto. A situação é demonstrada pela própria companhia aérea, ao divulgar as imagens da videovigilancia. O sindicato diz que a foto foi um gesto de protesto contra as más condições dadas à tripulação e acusa a Ryanair de ilegalidade na divulgação do vídeo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.