Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Bastonário dos Médicos rejeita referendo interno sobre eutanásia e mudanças no código dos profissionais

| Política
Porto Canal com Lusa

O bastonário da Ordem dos Médicos afirma que a despenalização da eutanásia não obrigaria a mudar o código deontológico dos médicos, ficando os clínicos que a praticassem também despenalizados da parte disciplinar.

Atualizado 19-05-2018 11:37

Em declarações à agência Lusa a menos de duas semanas da discussão parlamentar sobre a eutanásia, Miguel Guimarães diz que "o código deontológico dos médicos não é mudado porque muda a lei" e rejeita a ideia da necessidade de um referendo interno sobre este assunto.

A questão do referendo à classe médica tinha sido defendida nomeadamente pelo anterior bastonário, José Manuel Silva.

"Os princípios éticos e deontológicos que norteiam a atividade médica, que estão expressos em vários documentos internacionais e nacionais, não têm que mudar quando uma determinada situação, como a despenalização da eutanásia, é aprovada em lei", argumenta o atual bastonário da Ordem.

Segundo Miguel Guimarães, a Ordem não fará qualquer referendo interno, sublinhando que no código deontológico ficam expressos os mesmos princípios éticos universais que não têm a ver apenas com a lei portuguesa.

"Se for despenalizada e porventura um médico praticar a eutanásia, o que há a fazer é despenalizá-lo da parte disciplinar. Passa a ser despenalizado disciplinarmente porque é despenalizado pela lei", reiterou.

O bastonário considera que a despenalização da eutanásia "não é uma questão essencial no momento" e que há muitas outras matérias que deviam preocupar de forma prioritária a sociedade, como "as desigualdades sociais em saúde", ou as "insuficiências no Serviço Nacional de Saúde", bem como "a rede de cuidados paliativos medíocre, que apenas chega a um quinto das pessoas".

Ainda assim, a Ordem dos Médicos vai na segunda-feira promover um debate relacionado com "Decisões sobre o fim de vida", onde serão debatidos temas como a eutanásia, a distanásia (prolongamento da vida por meios artificiais e desproporcionais) ou o testamento vital.

Sobre a posição da Ordem relativamente à eutanásia, Miguel Guimarães frisa que como bastonário "tem de defender o código deontológico, que expressamente proíbe a eutanásia".

Contudo, indica que ainda este mês o Conselho Nacional da Ordem vai analisar e debater um parecer do Conselho Nacional de Ética e Deontologia Médica sobre o assunto.

O parlamento vai discutir a 29 de maio quatro projetos de lei sobre a morte medicamente assistida ou a despenalização da eutanásia, projetos do PAN, Bloco de Esquerda, PS e Partido Ecologista Os Verdes.

+ notícias: Política

Governo tem previstas mil ações de preservação da orla costeira entre 2020 e 2030

O Governo tem previstas mil ações de preservação da orla costeira entre 2020 e 2030. A Secretaria de Estado do Ordenamento do Território visitou, na passada segunda-feira, três destas intervenções que se estão a realizar em Vila Nova de Gaia.

Vila Real e Paços de Ferreira: os opostos no que toca a pagar aos fornecedores

A Direção-Geral das Autarquias Locais apresentou um ranking que demonstra que em Portugal cerca de um terço das autarquias demoraram, em 2017, mais de um mês para pagar aos fornecedores. Um dos destaques positivos na região Norte vai para Vila Real, que demora apenas um dia a pagar aos fornecedores, já no lado oposto, está a autarquia de Paços de Ferreira que em 2017 demorava, em média, cerca de dois anos a pagar.

Assunção Cristas preocupada com os cortes previstos para áreas como a agricultura

Assunção Cristas diz que o Governo não está a fazer tudo o que pode para negociar o melhor Orçamento possível da Comissão Europeia. A presidente do CDS-PP, que esteve em Viana do Castelo na pssada segunda-feira, onde decorrem as jornadas parlamentares, mostra-se preocupada com os cortes previstos para áreas como a agricultura.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.