Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

AR aprova divulgação de grandes créditos em incumprimento nos bancos ajudados pelo Estado

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 17 mai (Lusa) -- O parlamento aprovou hoje, na generalidade, os projetos de lei do BE, PCP e CDS-PP que preveem a divulgação dos maiores devedores em incumprimento dos bancos que beneficiaram de ajuda pública, chumbando a proposta do PSD.

Apesar do PSD ter apresentado no final do debate um texto de substituição à sua proposta inicial, PS, BE, PCP e Verdes rejeitaram o diploma, que defendia, nomeadamente, mais acesso a informação bancária pelas comissões de inquérito e a divulgação ao parlamento dos grandes créditos em incumprimento ou reestruturados no caso de bancos que recebam apoios do Estado à capitalização ou foram alvo de medidas de nacionalização ou resolução.

A proposta do PSD, que contou com votos favoráveis do PSD, CDS-PP e PAN, foi muito criticada pela esquerda que considera que penaliza a Caixa Geral de Depósitos (CGD) por ser pública.

Do Bloco de Esquerda foi aprovado, apenas com a abstenção do PSD, o projeto de lei que obriga o Banco de Portugal a publicar anualmente os grandes devedores do banco, a elaboração de um relatório extraordinário sobre os grandes devedores que levaram a prejuízos nas instituições que, no passado, foram ajudadas pelo Estado.

Querem ainda os bloquistas o reforço dos poderes das comissões parlamentares de inquérito, para que tenham acesso à informação que pedirem no caso de medidas de apoio ou resolução de bancos, de modo a ultrapassar as "persistentes recusas por parte do Banco de Portugal em fornecer informações cruciais para a avaliação das más práticas do setor bancário".

Já do PCP foi aprovado o diploma, apenas com a oposição do PSD, para a criação de uma unidade técnica para a recuperação dos créditos em incumprimento, considerando os comunistas que deste modo será possível "identificar os destinatários e beneficiários finais, dentro ou fora de Portugal, de cada um dos fluxos de crédito que lesaram o BES, o BPN e o Banif e que mais tarde se traduziram em perdas públicas".

Já o projeto de lei também dos comunistas para que o Banco de Portugal divulgue anualmente ao parlamento créditos em incumprimento acima de dois milhões de euros e que já não sejam recuperados foi viabilizado por todas as bancadas com exceção novamente dos sociais-democratas, que se abstiveram.

Por último, a proposta do CDS-PP foi a única aprovada por unanimidade, propondo uma alteração à lei para que, quando haja intervenção pública em bancos, sejam conhecidos os "maiores processos cujos prejuízos levam à necessidade de ajuda pública", considerando essa "uma questão de salutar responsabilização".

Todos os diplomas seguem agora para o debate na especialidade, na comissão parlamentar de orçamento e finanças, tendo o deputado socialista Rocha Andrade dito que o PS está "perfeitamente disponível" para encontrar uma solução para a divulgação pública dos créditos em incumprimento, apesar da legislação bancária colocar obstáculos devido ao sigilo a que o setor está obrigado.

Na sessão de hoje, foram também aprovados, na generalidade, os diplomas do Governo e do BE para permitir ao fisco conhecer as aplicações e contas bancárias com mais de 50 mil euros.

IM/JF // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Carlos César reeleito presidente do PS com 96,3% dos votos

O deputado e líder parlamentar socialista Carlos César foi este sábado reeleito presidente do PS com 96,3% dos votos, anunciou a Comissão Organizadora do Congresso.

Catarina Martins diz que Governo tem de "abrir os olhos" sobre imposição de trabalho por turnos

Há "muito abuso" na imposição do trabalho por turnos em Portugal. A denúncia foi feita, na passada sexta-feira, pela coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, durante uma conversa com trabalhadores da cortiça. Catarina Martins diz que o Governo tem de abrir os olhos para ver a realidade.

Presidente da República afirma que "não tem posição tomada" quanto à eutanásia

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou este sábado que "não tem posição tomada" quanto aos diplomas sobre a eutanásia, realçando que não existem sequer iniciativas legislativas apreciadas pelo parlamento sobre esta matéria.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.