Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Ex-diretor do Museu da Presidência acusado por peculato, falsificação e branqueamento

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 17 mai (Lusa) -- O Ministério Público acusou hoje o antigo diretor do Museu da Presidência da República Diogo Gaspar de participação económica em negócio, falsificação de documento, peculato, tráfico de influência e branqueamento de capitais.

A informação consta da página na internet da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), que adianta ter acusado quatro arguidos, entre os quais o ex-diretor do Museu da Presidência (Diogo Gaspar), por abuso de poder, participação económica em negócio, falsificação de documento, peculato, tráfico de influência e branqueamento de capitais.

Entende o MP que "está suficientemente indiciado que entre 2004 e 2016, o arguido que exercia funções no Museu da Presidência da República (MPR) utilizou a sua posição, funções e atribuições e para obter vantagens patrimoniais e não patrimoniais indevidas, em seu benefício e de terceiros".

Na acusação, o Ministério Público exige a perda a favor do Estado de cerca de 7,8 mil euros, quantia indevidamente recebida pelo principal arguido e a pena acessória de proibição do exercício de funções como funcionário público.

CC/FC // HB

Lusa/fim

+ notícias: Política

Carlos César reeleito presidente do PS com 96,3% dos votos

O deputado e líder parlamentar socialista Carlos César foi este sábado reeleito presidente do PS com 96,3% dos votos, anunciou a Comissão Organizadora do Congresso.

Catarina Martins diz que Governo tem de "abrir os olhos" sobre imposição de trabalho por turnos

Há "muito abuso" na imposição do trabalho por turnos em Portugal. A denúncia foi feita, na passada sexta-feira, pela coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, durante uma conversa com trabalhadores da cortiça. Catarina Martins diz que o Governo tem de abrir os olhos para ver a realidade.

Presidente da República afirma que "não tem posição tomada" quanto à eutanásia

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou este sábado que "não tem posição tomada" quanto aos diplomas sobre a eutanásia, realçando que não existem sequer iniciativas legislativas apreciadas pelo parlamento sobre esta matéria.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.