Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Deco com 5 queixas diárias devido às faturas em papel da Meo/Altice

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 27 mar (lusa) - A associação Deco recebeu desde março uma média de cinco queixas por dia, num total de 260, de clientes da Meo/Altice a quem foi cobrado o envio de faturas em papel, contrariando uma recomendação do regulador.

Foi há 47 dias, a 1 de abril, que a Meo começou a cobrar quase um euro aos clientes com assinaturas de telemóvel que recebem fatura em papel, motivando um esclarecimento a 27 de março do regulador do setor, a ANACOM, que recomendou ao operador que não cobrasse por faturas não detalhadas ou pouco detalhadas.

"Desde o final de março, até agora, temos 260 pedidos de ajuda" de cobranças da Meo, contou à Lusa fonte da associação de defesa dos consumidores Deco.

A associação adiantou ter escolhido o dia de hoje, dia mundial das telecomunicações e sociedade de informação, para disponibilizar os seus serviços de mediação "a todos" os consumidores, além dos associados.

O objetivo da Deco é o de alertar consumidores desconhecedores dos seus direitos, e que acabam muitas vezes por acatar as sugestões das operadoras.

A associação recorda que a fatura é um direito do consumidor, não é um serviço a pagar, e que tal cobrança constitui uma lesão grave e manifestamente ilegal dos direitos dos clientes da empresa de telecomunicações.

"Receber faturas gratuitas relativas aos serviços que lhes sejam prestados é um direito dos consumidores e um dever dos prestadores de serviços", advertiu na altura a associação, lembrando que a Lei dos Serviços Públicos Essenciais é expressa quanto ao direito a receber fatura com periodicidade mensal.

A Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), na sua recomendação, criticou os operadores que fazem depender o envio de fatura em papel de um pagamento dos clientes, o que diz ser particularmente gravoso para os mais vulneráveis, como os idosos.

Na altura, o regulador das comunicações lembrou os consumidores que, de acordo com a lei, os clientes têm direito a faturas dos serviços prestados, devendo ser disponibilizadas sem quaisquer encargos as faturas não detalhadas ou com o nível mínimo de detalhe.

"Além disso, a emissão e a entrega do original da fatura ao cliente são obrigações do prestador de serviço e, tratando-se de uma obrigação de natureza fiscal, a Anacom não considera legítimo que os operadores repercutam sobre os seus clientes os encargos que têm para cumprir aquela obrigação", concluiu a Anacom.

VP (ALU)// ATR

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Défice orçamental sobe 165ME e ultrapassa 2.000ME até abril

O défice orçamental em contas públicas totalizou 2.022 milhões de euros até abril, mais 165 milhões de euros, devido a um crescimento da despesa superior ao da receita, divulgou esta sexta-feira o Ministério das Finanças.

Património do Norte vai receber investimento de mais de 12 milhões de euros até 2020

Até 2020 vão ser investidos no património a Norte cerca de 12,5 milhões de euros. Rota das Catedrais, Mosteiros a Norte ou Vale do Varosa, são algumas das operações em curso e da responsabilidade da Direção Regional de Cultura do Norte. Para além da requalificação do património, o desafio passa por valorizar os próprios equipamentos, aproximando-os dos visitantes.

Governo aprova medidas de reforço do apoio social para recibos verdes

O Governo aprovou esta quinta-feira medidas para reforçar a proteção social dos trabalhadores independentes, como a atribuição mais célere do subsídio de doença e a necessidade de um período mais curto para aceder ao subsídio por cessação de atividade.

Atualizado 25-05-2018 12:30

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.