Info

União de várias religiões contra Eutanásia deve dar que pensar aos legisladores - Cardeal Patriarca de Lisboa

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 16 mai (Lusa) -- O cardeal patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, felicitou a união de várias religiões contra a Eutanásia considerando que este é um sinal que deve dar que pensar aos legisladores.

Manuel Clemente falava à agência Lusa na cerimónia de assinatura de uma posição conjunta de um documento desfavorável à Eutanásia, elaborado pelo Grupo Inter-Religioso de Trabalho para as questões da Saúde (GTIR/Saúde), que reúne representantes de mais de uma dezena de comunidades religiosas.

"Felicito muito a iniciativa que este grupo inter-religioso teve e aderi porque também acho importante que neste debate da sociedade portuguesa sobre a temática da vida, que as religiões se pronunciem", disse adiantando que esta união dá que pensar aos legisladores.

Segundo Manuel Clemente, dá que pensar porque é que as religiões judaico-cristãs e outras que transportam sabedorias milenares e convergem em relação a este ponto.

"Quando pensamos à cerca da verdade sobre a humanidade e sobre a sociedade esta persistência de pensamento e esta coincidência temática é muito reveladora", frisou.

No documento, hoje assinado em Lisboa, os signatários manifestaram a sua oposição à legalização da morte assistida em qualquer das suas formas, seja o suicídio assistido seja a eutanásia.

"Nós, comunidades religiosas presentes em Portugal, acreditamos que a vida humana é inviolável até à morte natural e perfilhamos um modelo compassivo de sociedade e, por estas razões, em nome da humanidade e do futuro da comunidade humana, causa da religião, nos sentimos chamados a intervir no presente debate sobre a morte assistida, manifestando a nossa oposição à sua legalização em qualquer das suas formas, seja o suicídio assistido, seja a eutanásia", refere o grupo no texto conjunto.

O Grupo de Trabalho Inter-religioso para as questões da Saúde surge na sequência da aprovação pelo Estado Português do Decreto-Lei 253/2009 de 23 de setembro, que reconhece o direito dos doentes internados em estabelecimentos de saúde do Sistema Nacional de Saúde a serem assistidos espiritual e religiosamente por membros das suas comunidades religiosas de pertença.

Este grupo, que engloba as comunidades Islâmica, Israelita, Budista, Hindu e Bahá'í, as Igrejas Adventista, Ortodoxa e Católica, a Aliança Evangélica e o Conselho Português de Igrejas Cristãs (COPIC), tem como objetivo acompanhar o processo de aplicação da nova regulamentação.

O parlamento vai discutir a 29 de maio os quatro projetos, do PAN, BE, PS e PEV, sobre a morte medicamente assistida.

GC // JPF

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Tancos: Ministério da Defesa investiga procedimento da PJ Militar

O Ministério da Defesa determinou a 04 de outubro a realização de uma “auditoria extraordinária aos procedimentos internos” da Polícia Judiciária Militar (PJM), na sequência da recuperação do material militar roubado dos paióis de Tancos no ano passado.

Câmara de Vila Real lança segunda-feira campanha sobre perigo na A24

A Câmara de Vila Real disse que vai colocar painéis nas entradas da Autoestrada 24 (A24) para alertar os automobilistas para os “perigos e falhas” da via, uma iniciativa apoiada pela Comunidade Intermunicipal do Douro (CIM Douro).

Tancos: Presidente da República garante desconhecer factos sobre reaparecimento das armas

O Presidente da República garantiu este sábado à Agência Lusa desconhecer os factos na base do desaparecimento e reaparecimento das armas de Tancos, recordando que tem insistido na exigência do esclarecimento de "toda a verdade, doa a quem doer".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.