Info

Ligações fluviais da Transtejo e Soflusa podem sofrer interrupções na quinta e sexta-feira

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 16 mai (Lusa) -- As ligações fluviais de Cacilhas, Montijo, Seixal e Trafaria podem sofrer interrupções temporárias na quinta-feira, a partir das 13:00 e até às 19:00, devido a um plenário geral dos trabalhadores da Transtejo, que reclamam aumentos salariais.

Com as mesmas reivindicações, os trabalhadores da Soflusa marcaram um plenário geral para sexta-feira, prevendo-se a interrupção das carreiras do serviço regular da ligação fluvial Barreiro -- Terreiro do Paço, entre as 13:25 e as 16:50.

"Após três reuniões com o conselho de administração, tendo em vista a revisão do Acordo de Empresa, continuamos sem qualquer perspetiva de alguma conclusão viável, apesar de as estruturas sindicais terem apresentado diversas propostas com vista, designadamente, à valorização salarial dos trabalhadores da Transtejo e da Soflusa, por isso, vamos realizar plenários gerais de trabalhadores com paralisação", afirmou a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS) em comunicado.

Às propostas sindicais, o conselho de administração da Transtejo e da Soflusa respondeu que, "não tendo sido publicada a Lei de Execução Orçamental, não está em condições de fazer qualquer proposta de aumentos salariais", informou a FECTRANS.

No caso da Transtejo, os sindicatos consideram que se trata de "concretizar o acordado em dezembro de 2016 e confirmado no acordo de maio de 2017, ou seja, trata-se de concretizar a integração de 50% do prémio de assiduidade e da integração total do adicional de remuneração, além de se proceder a um aumento salarial que tenha em conta que os trabalhadores não são aumentados desde 2009".

Relativamente à Soflusa, os sindicatos defendem que se trata de "concretizar a integração de 50% do prémio de assiduidade e da integração total do Subsídio de Catamaran, além de se proceder a um aumento salarial, que tenha em conta que os trabalhadores não são aumentados desde 2009", explicando que a medida foi acordada em dezembro de 2016 e confirmada no acordo de maio de 2017.

De acordo com a FECTRANS, a resposta das empresas Transtejo e Soflusa está a originar "uma situação de impasse, que levou os Órgãos Representativos dos Trabalhadores (ORT) a apresentarem formalmente um protesto exigindo da empresa a clarificação da sua posição".

Apesar de estar marcada uma nova reunião para a próxima quarta-feira com o conselho de administração da Transtejo e da Soflusa, "torna-se necessário ouvir e informar os trabalhadores sobre a situação criada, pelo que se vai convocar um plenário geral, com paralisação da atividade".

Na Transtejo, o plenário realiza-se na quinta-feira, entre as 14:30 e as 17:30, prevendo-se perturbações na ligação fluvial Cacilhas -- Cais do Sodré, entre as 14:20 e as 17:50, na ligação Montijo -- Cais do Sodré, entre as 13:30 e as 18:30, na ligação Seixal -- Cais do Sodré, entre as 13:00 e as 18:15, e na ligação Trafaria - Porto Brandão -- Belém, a partir das 13:00 até às 19:00.

Na Soflusa, o plenário está agendado para sexta-feira, pelo que se prevê a interrupção das carreiras do serviço regular da ligação fluvial Barreiro -- Terreiro do Paço, a partir das 13:10 até às 18:30.

SYSM // MCL

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.

Retenção na fonte de salários médios ainda não reflete totalmente mudança no IRS

As tabelas de retenção na fonte para 2019 vão aumentar o rendimento líquido de maioria dos contribuintes, mas não refletem ainda integralmente o efeito da reorganização dos escalões do IRS e descida de taxas observado em 2018, segundo a consultora Deloitte.

Preço das casas sobe 4,3% na zona euro no 3.º trimestre e em Portugal quase o dobro

O preço homólogo das casas aumentou 4,3% tanto na zona euro quanto na União Europeia (UE) no terceiro trimestre de 2018, com Portugal a registar uma subida de quase o dobro da média (8,5%), segundo o Eurostat.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.