Jornal Diário Jornal das 13

Governo moçambicano continua a negociar pagamento das dívidas ocultas

| Economia
Porto Canal com Lusa

Maputo, 16 mai (Lusa) - O ministro da Economia de Moçambique, Adriano Maleiane, referiu hoje no parlamento que o país continua a tentar renegociar os encargos com as designadas "dívidas ocultas", visando tornar sustentáveis as suas obrigações com os credores.

Adriano Maleiane fez hoje um ponto de situação sobre o quadro da dívida pública de Moçambique, quando falava na Assembleia da República em resposta a perguntas dos deputados sobre o assunto.

"O Governo não está a pagar a dívida comercial e sindicada garantida, cujo 'stock' é de 1.859 milhões de dólares (1.575 milhões de euros), estando no momento em negociação a sua restruturação", declarou Maleiane.

A conclusão das negociações com os credores, prosseguiu, vai contribuir para melhorar a classificação da dívida e os seus rácios de sustentabilidade, declarou.

O ministro da Economia adiantou que o país tem estado a pagar regularmente o serviço da dívida externa multilateral e bilateral, bem como a doméstica, tendo desembolsado 217 milhões de dólares no ano passado (183 milhões de euros).

No total, a dívida pública externa de Moçambique ascendia a 10,6 mil milhões de dólares (8,9 mil milhões de euros) em 2017 e a dívida pública interna ultrapassou 100,5 mil milhões de meticais (1,4 mil milhões de euros), acrescentou.

A dívida comercial garantida pelo Estado em relação à qual o país está em incumprimento diz respeito às chamadas "dívidas ocultas", descobertas em 2016.

PMA // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Não param de aumentar os registos de alojamento local

Tem aumentado exponencialmente o número de registos de alojamento local em Portugal. Os proprietários estão a aproveitar enquanto a nova lei não entra em vigor. Com as novas regras, as autarquias passam a ter mais poderes e podem inclusive criar zonas nas cidades sem este tipo de alojamento.

Menos turistas estrangeiros reduzem dormidas nos hotéis em 2,9% em junho

As dormidas na hotelaria diminuíram 2,9% em junho em termos homólogos, devido sobretudo aos turistas estrangeiros que pernoitaram menos 5,1% nos hotéis portugueses nesse mês, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Portugal ascende ao 2º lugar dos países que mais fundos recebem de Bruxelas

Portugal recebeu, em três anos, 5,7 mil milhões de euros da Comissão Europeia, ascendendo ao segundo lugar entre os Estados-membros que mais fundos comunitários receberam até junho, segundo dados revelados por Bruxelas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Olá Maria!

Trend(i) - diferentes tipos de bolsas...

N'Agenda

Exposição 'Amor com amor...