Info

Governo moçambicano continua a negociar pagamento das dívidas ocultas

| Economia
Porto Canal com Lusa

Maputo, 16 mai (Lusa) - O ministro da Economia de Moçambique, Adriano Maleiane, referiu hoje no parlamento que o país continua a tentar renegociar os encargos com as designadas "dívidas ocultas", visando tornar sustentáveis as suas obrigações com os credores.

Adriano Maleiane fez hoje um ponto de situação sobre o quadro da dívida pública de Moçambique, quando falava na Assembleia da República em resposta a perguntas dos deputados sobre o assunto.

"O Governo não está a pagar a dívida comercial e sindicada garantida, cujo 'stock' é de 1.859 milhões de dólares (1.575 milhões de euros), estando no momento em negociação a sua restruturação", declarou Maleiane.

A conclusão das negociações com os credores, prosseguiu, vai contribuir para melhorar a classificação da dívida e os seus rácios de sustentabilidade, declarou.

O ministro da Economia adiantou que o país tem estado a pagar regularmente o serviço da dívida externa multilateral e bilateral, bem como a doméstica, tendo desembolsado 217 milhões de dólares no ano passado (183 milhões de euros).

No total, a dívida pública externa de Moçambique ascendia a 10,6 mil milhões de dólares (8,9 mil milhões de euros) em 2017 e a dívida pública interna ultrapassou 100,5 mil milhões de meticais (1,4 mil milhões de euros), acrescentou.

A dívida comercial garantida pelo Estado em relação à qual o país está em incumprimento diz respeito às chamadas "dívidas ocultas", descobertas em 2016.

PMA // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.

Retenção na fonte de salários médios ainda não reflete totalmente mudança no IRS

As tabelas de retenção na fonte para 2019 vão aumentar o rendimento líquido de maioria dos contribuintes, mas não refletem ainda integralmente o efeito da reorganização dos escalões do IRS e descida de taxas observado em 2018, segundo a consultora Deloitte.

Preço das casas sobe 4,3% na zona euro no 3.º trimestre e em Portugal quase o dobro

O preço homólogo das casas aumentou 4,3% tanto na zona euro quanto na União Europeia (UE) no terceiro trimestre de 2018, com Portugal a registar uma subida de quase o dobro da média (8,5%), segundo o Eurostat.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.