Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

EDP condenada a pagar estragos provocados por um raio em associação de Esposende

EDP condenada a pagar estragos provocados por um raio em associação de Esposende
| Norte
Porto Canal com Lusa

O Tribunal da Relação de Guimarães condenou a EDP a ressarcir a associação Rio Neiva, em Esposende, dos prejuízos que sofreu com o incêndio provocado por um raio, que destruiu a sua sede, em 27 de setembro de 2013.

Segundo acórdão de 26 de abril, hoje consultado pela Lusa, a EDP terá de pagar mais de 63 mil euros pela reconstrução do imóvel e pela colocação do sistema de abastecimento e aquecimento de águas.

A associação pedia mais 67.360 euros pela destruição do recheio, nomeadamente canoas, um montante que tinha validado na primeira instância mas que a Relação considera ser necessário "apurar com precisão".

No total, a indemnização a pagar pela EDP poderá, assim, ascender a mais de 130 mil euros.

Para o tribunal, ficou provado que, no dia dos factos, e fruto do mau tempo que se fazia sentir, houve um corte geral no fornecimento de energia eléctrica na zona onde se encontra a sede da associação Rio Neiva, provocado por uma descarga atmosférica directa que durou entre um a três minutos.

A descarga atmosférica que atingiu a linha de média tensão provocou o acionamento dos mecanismos de proteção instalados, desligando o disjuntor da linha de média tensão.

Cessado o defeito provocado pela trovoada, o disjuntor foi aberto manualmente, repondo-se o fornecimento de energia eléctrica, mas, sublinha o tribunal, o restabelecimento foi efetuado "com excesso de potência na linha", que originou um curtocircuito que fez deflagrar o incêndio.

A EDP alegou que o incêndio não teve a sua origem na rede elétrica, sublinhando que o que aconteceu foi que a instalação elétrica particular do imóvel foi atingida por uma descarga atmosférica direta, ou seja, por um raio.

Acrescenta que a instalação elétrica em causa estava em sobrecarga, o que provocou um curtocircuito que, por sua vez, fez deflagrar o incêndio.

No entanto, o tribunal diz que as trovoadas e os raios, "porque fenómenos naturais comuns e correntes, não podem ser independentes do funcionamento e utilização da rede de distribuição, pelo que a empresa que explora a produção, o transporte e a distribuição de energia elétrica tem forçosamente que contar com eles".

"Os raios não preenchem o conceito de causa de força maior", diz ainda o acórdão, para sublinhar a "responsabilidade objetiva" da EDP no incêndio.

+ notícias: Norte

Investigadores da Universidade do Minho descobrem nova terapia que permite reverter lesões na medula

Uma equipa de investigadores da Universidade do Minho descobriu uma nova terapia que permite reverter lesões na medula. A abordagem terapêutica que combina células estaminais e biomateriais foi para já testada em animais.

Acidente provoca um morto e um ferido em Santo Tirso

Um homem com cerca de 50 anos morreu e outro ficou com ferimentos ligeiros numa colisão entre dois veículos ligeiros na Estrada Nacional 105 em Refojos, Riba D'Ave, Santo Tirso, apurou o Porto Canal junto da Proteção Civil e os Bombeiros Voluntários de Santo Tirso.

Atualizado 27-05-2018 12:00

Bombeiros resgatam turista perdida no Gerês

Equipas de bombeiros de Montalegre e Salto procederam esta noite ao resgate de uma turista inglesa que se "perdeu e desorientou" num trilho do Parque da Peneda Gerês, mas conseguiu pedir ajuda por telemóvel, disse à Lusa fonte da proteção civil.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.