Info

Redução de vagas avança em nove instituições de ensino superior de Lisboa e Porto

| País
Porto Canal com Lusa

A redução de 1.100 vagas no acesso a nove instituições do ensino superior em Lisboa e no Porto vai avançar, segundo o despacho do Governo, que já foi enviado para publicação em Diário da República.

Já no próximo concurso nacional de acesso ao ensino superior haverá menos lugares à disposição dos alunos que pretendam entrar na Universidade Nova de Lisboa, Universidade do Porto, Universidade de Lisboa, ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, Instituto Politécnico do Porto, Instituto Politécnico de Lisboa, Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, Escola Superior de Enfermagem do Porto e Escola Superior de Enfermagem de Lisboa.

A medida está definida no despacho, a que a Lusa teve acesso, e assinado pelo ministro do Ensino Superior, Manuel Heitor, que, segundo a edição de hoje do jornal Público, será publicado ainda hoje.

Em declarações à Lusa, fonte do gabinete do ministro confirmou que o diploma já foi enviado para publicação, mas ainda não foi divulgado em nenhuma das duas séries do Diário da República.

A ideia de reduzir as vagas de acesso àquelas instituições já tinha sido anunciada em fevereiro pelo ministro, tendo levado à contestação por parte de alguns dos reitores e presidentes das instituições afetadas.

No documento que será agora publicado, o ministro justifica a medida tendo em conta a crescente concentração de vagas e de alunos nas zonas de Lisboa e Porto em detrimento das restantes regiões do país.

Entre 2001 e 2017, o número de vagas iniciais nas instituições de Lisboa e Porto aumentaram 31%, "tendo sido reduzidas 9% nas restantes instituições do país (redução de 2657 vagas)".

O despacho lembra que, no ano letivo de 2016/2017, 49% dos alunos do ensino superior frequentavam instituições em Lisboa ou no Porto.

Assim o Ministério define um corte de 5% de vagas em nove instituições no concurso de acesso ao ensino superior, mas permite a essas mesmas instituições a abertura de mais vagas nos cursos de pós-graduação e mestrados.

"O financiamento naquelas instituições não será cortado", sublinhou ainda a assessora do ministro.

A Lusa contactou hoje o presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP), António Fontainhas Fernandes, que voltou a recordar que a medida "não é consensual" entre os representantes das várias universidades.

"As posições sobre esta medida divergem", havendo quem acredite que este poderá "ser um primeiro passo positivo para tentar equilibrar o país" e quem defenda que "a coesão passa por outro tipo de medidas", recordou.

É precisamente esta divisão de opiniões que levou o CRUP a nunca tomar uma posição oficial, situação que se mantém.

Já enquanto reitor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, António Fontainhas Fernandes acredita que poderá ser um primeiro passo: "É uma âncora de esperança. Mas, mesmo que aumente o número de alunos no interior, é preciso criar muitas outras condições, como haver empregos. É preciso haver também uma política fiscal e uma política regional", afirmou.

A medida "poderá ser um princípio em defesa de um país mais coeso", recordou o reitor, voltando a sublinhar que esta não é uma declaração enquanto presidente do CRUP.

A Lusa contactou também o reitor da Universidade de Lisboa, uma das instituições que irá perder alunos no 1.º ano, que disse só fazer declarações depois de ler o despacho publicado em DR.

No entanto, quando foi tornada publica a intenção do ministério de reduzir as vagas, António Cruz Serra foi uma das vozes contra a medida.

+ notícias: País

Dez distritos do continente sob aviso amarelo na quarta-feira devido ao vento

Dez distritos de Portugal continental vão estar na quarta-feira sob aviso amarelo devido à previsão de vento forte com rajadas até 75 quilómetros por hora, podendo atingir os 90 quilómetros nas terras altas.

Enfermeiros iniciam hoje greve de quatro dias

Os enfermeiros iniciam hoje uma greve de quatro dias convocada pelo Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) para exigir a "correta contagem dos pontos para todos os profissionais" e protestar contra o encerramento do processo negocial sobre a carreira.

Dois em cada dez internamentos de crianças até dois anos devem-se a bronquiolite

A bronquiolite é responsável por dois em cada dez internamentos de crianças com menos de dois anos, revela um estudo, segundo o qual a taxa de internamentos tem vindo a crescer, principalmente nos bebés menores de três meses.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.