Jornal Diário Jornal das 13

PCP defende 35 horas semanais para aliviar 240 por ano a cada trabalhador

PCP defende 35 horas semanais para aliviar 240 por ano a cada trabalhador
| Política
Porto Canal com Lusa

O PCP propõe a redução generalizada do horário de trabalho para as 35 horas semanais, setor privado incluído, calculando que a medida corresponda a um alívio de 240 horas anuais a cada pessoa.

O grupo parlamentar comunista vai promover uma audição pública sobre o assunto na segunda-feira, no parlamento, com a presença do secretário-geral, Jerónimo de Sousa, na preparação final para o debate e votação do seu projeto de lei, na sessão plenária de sexta-feira, coexistindo iniciativas no mesmo sentido de BE, PEV e PAN.

"É uma proposta que tem como objetivo a valorização dos direitos dos trabalhadores, mas é também uma proposta de investimento e dinamização económica", descreveu a deputada do PCP Rita Rato, antecipando que a medida origine "a criação de mais 440 mil empregos e a redução de 240 horas [de trabalho] por ano por cada trabalhador", sem qualquer diminuição remuneratória.

A parlamentar comunista defendeu o "princípio" de privilégio da vida pessoal e familiar e "progresso social", anunciando que o evento "abordará a matéria relativa ao desenvolvimento científico e tecnológico e a redução do horário de trabalho, bem como o reforço dos direitos dos trabalhadores".

Contudo, o Governo, através do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, já declarou que o estabelecimento dos horários de 35 horas semanais para todos, além dos já repostos na função pública, não é um objetivo que conste na atual legislatura.

Segunda-feira, a partir das 14:30, além de dirigentes e deputados comunistas, a audição pública do PCP contará também com especialistas, sindicalistas e trabalhadores, no auditório Almeida Santos do edifício novo da Assembleia da República.

+ notícias: Política

Governo decreta dispensa de trabalhadores que sejam bombeiros nos distritos em alerta

O Governo determinou esta sexta-feira a dispensa de funcionários públicos e do setor privado que sejam ao mesmo tempo bombeiros nos distritos em alerta vermelho "face ao significativo agravamento do risco de incêndio florestal".

BE quer aproximar salários dos trabalhadores aos dos gestores

O Bloco de Esquerda (BE) quer diminuir a desigualdade salarial entre os gestores e os trabalhadores da mesma empresa em Portugal, avançando com um projeto de lei que abre a porta à fixação de rácios.

Atualizado 18-08-2018 11:50

Governo quer acabar com a reforma obrigatória na Função Pública

O Governo prepara-se para acabar com a reforma obrigatória dos funcionários públicos aos 70 anos. Esta é uma regra com quase um século que tem sido bastante criticada mas que ainda assim não é consensual.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Olá Maria!

Trend(i) - diferentes tipos de bolsas...

N'Agenda

Exposição 'Amor com amor...