Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Portugal é o país da zona euro que mais corta dívida pública até 2023

Portugal é o país da zona euro que mais corta dívida pública até 2023
| Economia
Porto Canal com Lusa

O FMI estima que Portugal consiga reduzir a dívida pública para perto de 105% do PIB até 2023, uma redução superior a 20 pontos percentuais e que é a mais forte da zona euro nos próximos seis anos.

No 'Fiscal Monitor', relatório com as previsões orçamentais do mundo, divulgado hoje, o Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que Portugal consiga reduzir a dívida de 125,6% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017 para 104,7% em 2023.

Esta redução da dívida pública em 20,9 pontos percentuais do PIB é a mais forte entre os países da zona euro, segundo as previsões do Fundo, que são coordenadas pelo ex-ministro das Finanças Vítor Gaspar (agora diretor do FMI).

No Programa de Estabilidade 2018-2022, entregue na sexta-feira à Assembleia da República, o Governo estima uma redução da dívida pública de 23,6 pontos percentuais do PIB mas em cinco anos, ou seja, um ano mais cedo do que prevê o FMI.

No documento, o executivo liderado por António Costa conta reduzir a dívida pública em 23,6 pontos percentuais do PIB, mas em cinco anos: para 122,2% em 2018, para 118,4% em 2019, para 114,9% em 2020, para 107,3% em 2021 e para 102% em 2022.

Nas estimativas do FMI, e entre os 19 países da moeda única, Portugal é o que mais vai reduzir a dívida pública até 2023. Atrás ficam a Grécia, que tem um corte previsto de 16,8 pontos (de 181,9% para 165,1% do PIB), e a Itália, com uma diminuição estimada de 14,9 pontos percentuais (de 131,5% em 2017 para 116,6% em 2023).

No ano passado, Portugal era o terceiro país da zona euro com o maior nível de dívida pública, apenas atrás de Itália e da Grécia, mas mesmo com ritmos de redução superiores, vai permanecer neste lugar até 2023.

Nesse ano, segundo o FMI, serão estes os únicos três países da zona euro a apresentar níveis de dívida pública superiores a 100% do PIB. Próximos deste valor ficam a Bélgica (com 93%), Espanha (90,9%) e França (com 89%).

+ notícias: Economia

AICEP lança programa para ajudar empresas na internacionalização

A AICEP lançou um programa para ajudar a internacionalização das empresas. A nova ferramenta está numa fase inicial para perceber o que as indústrias necessitam, e depois anunciar o volume de dinheiro disponível a investir no 'Exporta Online'.

Número de desempregados inscritos no IEFP cai em abril para mínimo de quase 16 anos

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego baixou 16,6% em abril, face a igual mês de 2017, para 376.014 pessoas, caindo 4,4% face ao mês anterior, segundo dados hoje divulgados pelo IEFP.

Lucros da Ryanair chegaram aos 1.450 milhões de euros no último ano fiscal

Os lucros da companhia aérea irlandesa Ryanair atingiram 1.450 milhões de euros no último ano fiscal até 31 de março, 10% mais que no ano anterior, revelou a empresa.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.