Info

Encontro em Coimbra debate criação de rede e rota europeias de cafés históricos

| País
Porto Canal com Lusa

Coimbra, 16 abr (Lusa) -- A criação de uma Rede de Cafés Históricos da Europa e de uma Rota Europeia destes estabelecimentos estão entre os principais objetivos do Encontro Internacional de Cafés Históricos, que decorre na sexta-feira e no sábado em Coimbra.

O preconizado roteiro deverá assumir-se como "novo Itinerário cultural do Conselho da Europa", defendeu hoje, durante uma conferência de imprensa para apresentação do programa do encontro, Vitor Marques, gerente do Café Santa Cruz, em Coimbra, e presidente da Associação Portuguesa dos Cafés com História.

Durante o encontro também serão discutidos o estabelecimento do Dia Europeu do Café Histórico e a importância destes espaços e formas de cooperação e intercâmbio, disse o grego Vassilis Stathakis, proprietário do Kipos Café, em Creta, e presidente da Associação Europeia dos Cafés Históricos (EHICA).

O Dia Europeu do Café Histórico deverá ser assinalado já a partir de 2019, no dia 08 de abril (data que corresponde à fundação da EHICA), admitiu Vassilis Stathakis, que também quer, por outro lado, que a reunião em Coimbra seja um espaço de divulgação e de angariação novos membros para a Associação que dirige.

A Associação Europeia agrega 23 cafés históricos, designadamente da Grécia, de França, da Hungria, da Eslováquia, da Itália, da República Checa, de Espanha, de Malta, da Bélgica e de Portugal (Café Santa Cruz, de Coimbra, Antiga Confeitaria de Belém e Pastelaria Versailles, de Lisboa, Café Restaurante São Gonçalo, de Amarante, e Pastelaria Gomes, de Vila Real).

Mas há na Europa cerca de centena e meia de cafés, naqueles e noutros países, que reúnem condições para integrarem a Associação Europeia, salienta Vítor Marques, referindo que em Portugal são mais de quatro dezenas os estabelecimentos que possuem características para fazerem parte daquela associação e que já são, na generalidade, membros da organização portuguesa -- alguns deles deverão aderir à EHICA brevemente, como o Majestic, no Porto, exemplificou.

Mais do que simples estabelecimentos comerciais, os cafés históricos são testemunhas privilegiadas de décadas de convivência social, de tertúlias artísticas e de debates políticos, fazem parte da história, da cultura e da vida social das localidades onde se situam, sustenta Vítor Marques, sublinhando que este património imaterial supera, por vezes, a importância do património material, que muitos cafés históricos também são.

Faz todo o sentido que estes espaços de história e tradições integrem os circuitos turístico-culturais e estabeleçam formas de colaboração e intercâmbio entre si e com outras entidades, sintetizam os responsáveis das associações europeia e portuguesa de cafés históricos.

Adotando um "ambiente de tertúlia" e aberto a todos os interessados, o Encontro Internacional de Cafés Históricos, que decorrerá na Casa da Escrita, na Alta de Coimbra, e no Café Santa Cruz, na Baixa da cidade, contará com a participação de proprietários, gerentes ou outros representantes de estabelecimentos de Portugal, de Espanha e da Grécia.

Promovido pelo Café Santa Cruz, em colaboração com as associações portuguesa e europeia dos cafés históricos e o apoio de entidades como a Câmara Municipal, a Universidade, o Museu Machado de Castro e a Escola de Hotelaria de Coimbra, o Turismo Centro de Portugal e a Fundação Mata do Bussaco, a reunião terá a participação de investigadores, escritores, jornalistas e responsáveis de entidades ligadas ao património, à cultura, ao turismo e às autarquias, entre outros.

Subordinado ao tema 'Os Cafés Históricos como Património Cultural', o encontro, com início às 14:30 de sexta-feira, na Casa da Escrita, e encerramento a partir das 19:30 de sábado, no Café Santa Cruz, deter-se-á sobre a importância dos cafés na transformação da esfera pública e os cafés históricos e as redes de património cultural ou como património turístico, entre outros temas.

JEF // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Toda a costa portuguesa sob aviso laranja devido à agitação marítima

Toda a costa de Portugal continental está hoje e na sexta-feira sob aviso laranja devido à previsão de agitação marítima forte, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Em 2018 morreram 37 trabalhadores no sector da construção civil

Este ano morreram 37 trabalhadores no sector da construção civil. As contas são do Sindicato da Construção de Portugal, que admite que em 2019 possam vir a morrer mais trabalhadores, devido ao aumento do trabalho clandestino.

Portugueses gastam cada vez menos no natal

Os portugueses gastam cada vez menos no natal. Um estudo da 'Deloitte' refere que os portugueses planeiam gastar uma média de 314 euros este ano mas ainda há quem considere este valor baixo para a época festiva.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.