Jornal Diário Jornal das 13

Síria: França insta parceiros do Conselho de Segurança a negociações "de boa-fé"

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Nações Unidas, Nova Iorque, 16 abr (Lusa) -- A França instou os seus 14 parceiros do Conselho de Segurança da ONU a entrarem hoje "de boa-fé" nas negociações sobre um projeto de resolução sobre a Síria incidindo sobre as vertentes química, humanitária e política.

Uma primeira reunião, ao nível dos especialistas dos 15 países membros do Conselho de Segurança (CS), tem início marcado para as 18:30 TMG (19:30 em Lisboa).

"Não há um calendário artificial [para uma votação]. O que nós queremos é entrar em negociações verdadeiras, produtivas e sérias", disse o embaixador francês na ONU, François Delattre, à imprensa.

"Começaremos os debates hoje ao fim da tarde de boa-fé, com espírito positivo entre os 15 membros. O objetivo desta resolução é claro: relançar uma ação coletiva do Conselho de Segurança sobre o dossier químico, para proteger a população civil e trabalhar numa solução política para a crise síria", precisou o diplomata francês.

É a primeira vez que um texto reunindo estes três aspetos -- químico, humanitário e político -- de um conflito com sete anos é proposto ao Conselho de Segurança.

Iniciado pela França e apoiado pelos Estados Unidos e o Reino Unido, o projeto de resolução foi colocado no sábado à noite em cima da mesa do CS, menos de 24 horas após os bombardeamentos daqueles três países na Síria, para punir o regime por ter recorrido a armas químicas a 07 de abril, em Douma, num ataque que fez 40 mortos e mais de 500 feridos.

A Rússia nega, tal como Damasco, que tenham sido usadas armas químicas naquela cidade próxima da capital síria.

O projeto de resolução prevê a criação de "um mecanismo independente" de investigação e de atribuição de responsabilidades no recurso às armas químicas, "assente nos princípios da imparcialidade e do profissionalismo" e impõe à Síria o total desmantelamento do seu programa químico sob a supervisão da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ).

O documento exige igualmente a aplicação rigorosa de um cessar-fogo e "um acesso humanitário sem restrições" em todo o país, bem como o relançamento de uma dinâmica política em Genebra para negociações de paz.

Desde o início da guerra civil, em 2011, a Rússia, que apoia o regime do Presidente Bashar al-Assad, vetou 12 vezes textos relativos à Síria no Conselho de Segurança da ONU.

ANC // ANP.

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Trabalhadores do McDonald's fizeram greve nos EUA contra o assédio sexual

Trabalhadores do McDonald's realizaram, na terça-feira, em dez cidades norte-americanas, uma greve laboral contra o assédio sexual na empresa, em consonância com o movimento #MeToo.

Chuvas na Nigéria provocam 100 mortos, autoridades estimam que número aumente

As autoridades nigerianas afirmaram que 100 pessoas morreram devido às inundações provocadas pelas chuvas fortes que se fizeram sentir no país nos últimos dias.

Mais de 600 estradas bloqueadas em Hong Kong após passagem do tufão Mangkhut

Mais de 600 estradas estão bloqueadas em Hong Kong devido aos destroços provocados pela passagem do tufão Mangkhut, no domingo, que deixou mais de 200 feridos naquele território, noticiou hoje um jornal local.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.