Jornal Diário Jornal das 13

Pedrógão Grande: Concluídas 149 das 265 casas a reabilitar através do Fundo Revita

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 16 abr (Lusa) -- O Fundo Revita permitiu já a conclusão da reconstrução de 149 das 265 casas de primeira habitação afetadas pelos incêndios de junho de 2017, com o concelho de Pedrógão Grande a envolver o maior volume de intervenções.

"As 265 casas de primeira habitação estão todas em andamento. Deste conjunto, à data do presente relatório, destacam-se 249 casas em fase mais avançada, nomeadamente 100 habitações com obras em execução e 149 já concluídas", apurou o terceiro relatório trimestral, publicado hoje na página da internet do Fundo Revita, instrumento criado pelo Governo para apoiar as populações e a revitalização das áreas afetadas pelos incêndios ocorridos em junho de 2017, nos concelhos de Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande.

Além destes três concelhos, as 265 casas de primeira habitação alvo de obras de reconstrução desenvolvidas pelo Fundo Revita, através de protocolos com os outros fundos, localizam-se também nos municípios adjacentes de Góis, Pampilhosa, Sertã e Penela.

Neste âmbito, foram celebrados protocolos com os principais fundos constituídos a partir de donativos destinados à reconstrução dos territórios atingidos, nomeadamente a União das Misericórdias Portuguesas, a Fundação Calouste Gulbenkian e a Cáritas Diocesana.

O Fundo Revita celebrou ainda um protocolo com a Cruz Vermelha Portuguesa para que esta assuma o papel de Coordenadora Logística de Apetrechamento, exercendo funções de suporte no âmbito da estratégia de apetrechamento das habitações afetadas e na preparação das respetivas propostas de afetação de recursos.

De acordo com o terceiro relatório trimestral, o Fundo Revita está diretamente responsável pela reabilitação de "96 casas, com um perfil de intervenção mais exigente já que se tratam, na sua maioria, de reconstruções integrais", o que corresponde a 36% do total das 265 casas de primeira habitação a reabilitar.

Até ao final de março deste ano, 94% das casas a reabilitar diretamente pelo Fundo Revita [96 habitações] encontravam-se já em execução ou concluídas, segundo o documento hoje publicado.

"Das obras realizadas pode-se constatar que mais do que 42% das intervenções são acima dos 25 mil euros, sendo o concelho de Pedrógão Grande aquele que envolve maior volume de intervenções", revelou o Fundo Revita, adiantando que "a execução financeira é naturalmente mais faseada, encontrando-se pago, no que diz respeito a habitações, o valor total de 862.324,58 euros".

Relativamente ao apetrechamento das casas reconstruídas, o processo está concluído em 15 habitações, indicam os dados até 31 de março deste ano.

"No concelho de Figueiró dos Vinhos, de um total de seis habitações a apetrechar neste território, cinco estão já equipadas. Em Castanheira de Pera, com 14 habitações para apetrechar, encontram-se duas em processo de equipamento e duas concluídas. Em Pedrógão Grande estão previstas 51 unidades para apetrechamento, estando oito habitações concluídas e seis casas em fase de reequipamento", apontou o relatório.

Os incêndios que deflagraram na zona de Pedrógão Grande, distrito de Leiria, em junho do ano passado, provocaram 66 mortos: a contabilização oficial assinalou 64 vítimas mortais, mas houve ainda registo de uma mulher que morreu atropelada ao fugir das chamas e uma outra que estava internada desde então, em Coimbra, e acabou também por morrer. Houve ainda mais de 250 feridos.

SYSM // MLS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Sindicatos dos enfermeiros dão início a paralisação de dois dias

Os sindicatos dos enfermeiros deram início, às 08:00 de hoje, a dois dias de greve nacional que visa pressionar o Governo a apresentar uma contraproposta ao diploma da carreira de enfermagem.

Associações dos taxistas estimam que 30 mil postos de trabalho estejam em risco

A entrada em vigor da lei que regula as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros coloca em risco 30 mil postos de trabalho no setor do táxi, avançaram hoje as associações que representam os taxistas, exigindo “concorrência leal”.

Cerca de 1.300 taxistas concentrados em Lisboa, Porto e Faro

Cerca de 1.300 táxis integravam esta quarta-feira, pelas 09h00, o protesto contra a lei que regula as plataformas de transporte em veículos descaracterizados, nas cidades de Lisboa, Faro e Porto, segundo a organização.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.