Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Vinte anos de crónicas "O Homem do Leme" reunidos em livro

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 16 abr (Lusa) - Vinte anos das crónicas "O Homem do Leme", do Jornal de Letras, passam agora a livro, que reúne alguns dos textos do jornalista Manuel Halpern, o homem que tem estado ao leme desta coluna quinzenal, desde que a criou.

O título da rubrica -- assim designada, porque nem sempre foi crónica -- foi inspirado no marinheiro que responde ao Mostrengo, no poema de Fernando Pessoa, e não na música dos Xutos & Pontapés, ao contrário do que se possa pensar e apesar de ter nascido como uma coluna sobre música.

Nem sempre foram crónicas e, feitas as contas, foram escritas mais de 500, mas nem todas foram resgatadas para o livro, até porque "muitas delas pertencem apenas àquela edição de jornal em que foram publicadas, e dali -- daquele tempo e daquele contexto -- não devem sair".

Quem o explica é o próprio Manuel Halpern, autor e criador da coluna "O Homem do Leme", no prefácio ou, melhor dizendo, no "aviso à navegação", no início do livro, com o mesmo título, que é editado pela Rosa de Porcelana e lançado na terça-feira, na Casa Fernando Pessoa, em Lisboa, com apresentação do escritor José Luís Peixoto.

Para o livro, foi feita uma seleção de centena e meia de crónicas, que aparecem sempre com a indicação da data e da edição do jornal, porque "nunca é indiferente o tempo em que os textos são escritos", explica o autor, adiantando que nessa organização que fez, deu o seu melhor para "desorganizar as páginas de forma lógica".

Além de ter criado, assim, as condições para uma "leitura aleatória, saltitada, intermitente", o jornalista fez uma seleção de crónicas, baseada em critérios -- "discutíveis", admite -- de qualidade e diversidade, temática e temporal.

As crónicas aparecem desdobradas em "Ficções", "Fricções", "Referências" e "Minudencias", uma catalogação feita apenas para o livro, já que, quando foram escritas, foram pensadas apenas para ocupar o espaço no jornal que lhes estava destinado.

A história das crónicas quinzenais do Jornal de Letras (JL) acompanham a história de jornalismo do seu autor, tendo nascido ambos na mesma altura: "O Homem do Leme" e o jornalista, em 1998, quando Manuel Halpern entrou como estagiário na publicação que, na altura, pertencia ao grupo suíço Edipresse, que detinha também a Visão e o 24 Horas.

Naquela altura, pairava sobre a redação "uma nuvem de fumo, vernáculo e poesia". "E eu inspirava aquele ar com urgência e afinco, na esperança de tossir jornalismo e cultura", conta.

Manuel Halpern recorda que "ainda ninguém sabia muito bem para que servia a Internet" e os próprios computadores tinham chegado há pouco tempo aos jornais.

Numa reunião, o diretor do jornal, José Carlos de Vasconcelos, pediu aos estagiários ideias para a estrutura do quinzenário e foi então que Manuel Halpern decidiu arriscar, e propôs-se escrever sobre música pop e criar uma coluna sobre 'sites' culturais na Internet.

Arriscou e ganhou: as duas ideias concretizaram-se, mas em boa parte devido ao "insano apoio" do editor, José Manuel Rodrigues da Silva, reconhece.

"Sobre os discos dizia-me: 'Escreve sobre o que quiseres desde que não me obrigues a ouvir'. E sobre a coluna aconselhou-me: 'Se estiver pronta antes das outras coisas, é mais provável que vá para a frente'", recorda Manuel Halpern.

Inicialmente, a coluna não teve o nome que o jornalista queria, porque tanto o diretor como o editor consideraram que o título deveria conter a palavra Internet.

Assim, surgiu "Ao Leme da Internet", um roteiro de 'sites' que, com o tempo, se foi transformando e ganhando forma, até se tornar uma crónica propriamente dita, que falava sobre tudo, até sobre Internet e tecnologia.

Vinte anos depois, "O Homem do Leme" convida os leitores a embarcarem, na sua companhia, nesta nova viagem. Na terça-feira, o barco está de partida.

AL // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: País

Entidades acreditam que população do Interior usa fogo posto como forma de chamar à atenção

O fogo posto nas áreas protegidas pode ser um de apelo das populações que vivem num interior que, dizem eles está praticamente abandonado. Esta é uma das conclusões dos especialistas e também dos autarcas que reclamam mais medidas de apoio a estes cidadãos.

Queixas na Saúde não param de aumentar

Durante o ano passado a Entidade Reguladora da Saúde recebeu mais de 70 mil reclamações dos serviços de saúde públicos e privados. As queixas dos utentes foram em média 192 por dia, o destaque foi para o tempo de espera para as consultas.

Todos os casos de sarampo confirmados até agora estão curados

Todos os 109 casos confirmados de sarampo no surto da região Norte estão curados, havendo ainda 18 casos a ser investigados, segundo um boletim hoje emitido pela Direção-geral da Saúde (DGS).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.