Jornal Diário Jornal das 13

Síria: Equipa da OPAQ ainda não entrou em Douma para investigar alegado ataque

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Haia, Holanda 16 abr (Lusa) - O diretor-geral da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) adiantou hoje que os inspetores da organização ainda não entraram em Douma para investigar o ataque de 07 de abril, alegadamente com armamento químico.

Ahmet Uzumcu, o máximo responsável da OPAQ, disse hoje aos restantes membros do conselho executivo da organização que dois dias depois de ter chegado à Síria a equipa ainda não pôde entrar em Douma.

De acordo com Uzumcu, a explicação foi dada por responsáveis sírios e russos (a Rússia é o principal aliado do regime do Presidente Bashar al-Assad). Estes responsáveis, que participaram nas reuniões em Damasco, disseram à equipa que "ainda existem questões de segurança pendentes que têm de ser resolvidos antes de se poder proceder a esta mobilização".

O diretor-geral da OPAQ também disse que, em substituição de uma ida da equipa a Douma, as autoridades sírias ofereceram a possibilidade de os inspetores entrevistarem 22 pessoas.

Uzumcu disse esperar que se façam "todos os preparativos necessários... para permitir que a equipa se mobilize para Douma o mais rapidamente possível".

Ativistas da oposição sírios e equipas de emergência denunciaram um ataque com armas químicas em Douma no dia 07 de abril, acrescentando que este terá causado pelo menos 40 mortos.

O governo sírio e a Rússia negaram ter realizado qualquer ataque com armas químicas (proibidas internacionalmente).

Na madrugada de sábado, os Estados Unidos, a França e o Reino Unido atacaram com mísseis posições sírias que supostamente albergavam este tipo de armas.

NVI // ANP.

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Chuvas na Nigéria provocam 100 mortos, autoridades estimam que número aumente

As autoridades nigerianas afirmaram que 100 pessoas morreram devido às inundações provocadas pelas chuvas fortes que se fizeram sentir no país nos últimos dias.

Mais de 600 estradas bloqueadas em Hong Kong após passagem do tufão Mangkhut

Mais de 600 estradas estão bloqueadas em Hong Kong devido aos destroços provocados pela passagem do tufão Mangkhut, no domingo, que deixou mais de 200 feridos naquele território, noticiou hoje um jornal local.

Tufão causa pelo menos 64 mortos, 33 feridos e 45 desaparecidos nas Filipinas

O tufão Mangkhut causou 64 mortos e 33 feridos nas Filipinas, onde outras 45 pessoas continuam desaparecidas, de acordo com o último balanço da polícia local.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.