Info

Síria: MNE russo nega manipulação de provas sobre alegado ataque químico em Douma

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Londres, 16 abr (Lusa) -- O ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Serguei Lavrov, negou hoje que o seu país tenha "manipulado" as provas do suposto ataque químico na cidade síria de Douma em 07 de abril e denunciou uma "montagem".

"Posso garantir que a Rússia não manipulou o lugar", assegurou Lavrov em declarações à cadeia televisiva britânica BBC na sequência do ataque aliado contra instalações onde, supostamente, o regime de Bashar al-Assad fabricou e armazenou armamento químico.

O chefe da diplomacia russa referiu-se a uma "montagem" em Douma e negou a utilização de armamento químico contra essa localidade, que justificou os ataques aéreos de sábado pelos Estados Unidos, Reino Unido e França.

"Não posso ser indelicado com os chefes de outros Estados, mas foram citados os líderes da França, Reino Unido e EUA e, falando com sinceridade, todas as provas que eles referem são baseadas em informações dos 'media' e das redes sociais", acrescentou na entrevista.

"O que aconteceu foi uma montagem", insistiu o ministro, que emitiu estas declarações no dia em que a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAC) celebra uma reunião em Haia.

Os inspetores da OPAQ ainda não conseguiram obter o acesso a Douma, de acordo com a delegação britânica desta organização.

O chefe da equipa britânica da OPAQ, Peter Wilson, disse hoje à Rússia e ao Irão, aliados do regime de Damasco, que "devem cooperar" com a investigação e advertiu que o acesso à zona do ataque é "essencial" para o trabalho dos peritos.

Lavrov acrescentou que a Rússia e o ocidente estão a assistir a momentos mais difíceis que durante a Guerra fria, devido à ausência de canais de comunicação entre as duas partes, sugerindo que as relações entre Washington e Moscovo estão "piores" que nesse período.

Os EUA, a França e o Reino Unido realizaram no sábado uma série de ataques com mísseis contra alvos associados à produção de armamento químico na Síria, em resposta a um alegado ataque com armas químicas na cidade de Douma, Ghouta Oriental, por parte das forças do governo do presidente sírio, Bashar al-Assad.

A primeira-ministra britânica Theresa May decidiu juntar-se aos bombardeamentos de EUA e França sem consultar previamente o parlamento de Westminster. O ataque também foi desencadeado à revelia de qualquer decisão da ONU.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o ataque químico de 07 de abril provocou 70 mortos, com 43 das vítimas a apresentarem quadros relacionados com substâncias tóxicas. Cerca de 500 pessoas também receberam assistência médica com sintomas de exposição a agentes químicos.

PCR // ANP.

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Novo balanço eleva para 48 o número de mortos em incêndio em Paradise, Califórnia

As autoridades norte-americanas elevaram de 42 para 48 o número de mortos devido ao incêndio em Paradise, na Califórnia, que está a ser combatido por mais de cinco mil bombeiros e que já consumiu 505 quilómetros quadrados.

Empresário português encontrado morto depois de rapto nas imediações de Maputo

Um empresário português foi encontrado este domingo morto, nas imediações de Maputo, depois de ter sido raptado e pago o resgate exigido, informou hoje o secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro.

Dez mortos em deslizamento de terra no Rio de Janeiro

As autoridades brasileiras elevaram de nove para dez o número de mortos num deslizamento de terras no sábado em Niterói, no estado do Rio de Janeiro, que causou 11 feridos, encontrando-se quatro pessoas desaparecidas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.