Jornal Diário Jornal das 13

Câmara de Lisboa encaixou 18,5 milhões de euros de Taxa Turística em 2017

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 16 abr (Lusa) -- A Câmara Municipal de Lisboa recebeu 18,5 milhões de euros de Taxa Municipal Turística em 2017, naquele que foi o primeiro ano em que a cobrança foi feita por todos os operadores envolvidos e durante os 12 meses.

Numa conferência de imprensa de apresentação do Relatório e Contas de 2017, que decorreu nos Paços do Concelho, o vereador das Finanças, João Paulo Saraiva, afirmou que, no ano passado, a Câmara encaixou 18,5 milhões de euros, mais 6,1 milhões do que em 2016.

Este foi o "primeiro ano em que foi feita a cobrança o ano inteiro e com todos os operadores" (hotéis e alojamento local, incluindo a plataforma Airbnb), referiu o vereador.

Em termos globais, a Câmara já encaixou cerca de 31 milhões de euros desde o início da cobrança, adiantou à Lusa fonte municipal.

Aprovada em 2014, a Taxa Municipal Turística começou a ser aplicada em janeiro de 2016 sobre as dormidas de turistas nacionais (incluindo lisboetas) e estrangeiros nas unidades hoteleiras e de alojamento local, sendo cobrado um euro por noite até um máximo de sete euros.

No orçamento para o ano de 2017, a estimativa de receita da taxa turística era de 15,7 milhões de euros.

Relativamente a um possível aumento desta taxa, que está contemplado no acordo de governação da cidade, estabelecido entre o PS e o BE depois das eleições autárquicas, o vereador das Finanças considerou ser "completamente prematuro avançar com um aumento" neste momento, mas admitiu que poderão haver novidades "lá para meio do ano".

"Nessa equação estão a ser ponderadas várias questões, a principal prende-se com a salvaguarda da receita estrutural do município", frisou.

Em causa está "a situação extraordinária que a cidade vive" e que pode deixar de acontecer, pelo que, "quando todas as receitas associadas ao sobreaquecimento do imobiliário e à dinâmica da cidade" descerem, a Câmara deverá "ter cuidado para que a receita estrutural do município acomode a despesa estrutural do município".

João Paulo Saraiva foi ainda questionado sobre a aplicação da taxa de um euro nas chegadas por via aérea e marítima, medida que ainda não entrou em funcionamento, apesar de continuar prevista desde a criação desta tarifa.

"Estamos a reequacionar essa questão, quando tivermos uma solução iremos voltar a ela", disse o vereador, explicando que existe uma "dificuldade operacional para montar o sistema".

"Ainda não temos solução, mas não abandonámos a ideia", frisou João Paulo Saraiva, elencado que "estão a ser ponderadas algumas soluções" que poderão entrar em prática, "se não este ano, no início do ano que vem".

O vereador acrescentou ainda que a Câmara de Lisboa teve "contactos com algumas cidades europeias", nomeadamente Barcelona, pelo que está a trocar informações com eles e com operadores, pelo que estão a "analisar a questão".

FYM // MCL

Lusa/fim

+ notícias: Economia

EasyJet vai contestar indemnizações por falta de combustível em Lisboa

A companhia aérea easyJet afirmou hoje que vai contestar as indemnizações que foi obrigada a pagar devido às perturbações pela falha no abastecimento de combustível no aeroporto de Lisboa, tentando "recuperar esses valores" junto das petrolíferas.

IEFP admite erros na contagem das horas de formação, processos estão a ser reanalisados

O presidente do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) admitiu hoje erros na contabilização das horas de formação, afirmando que os resultados da reanálise dos processos dos formadores que trabalham a recibo verde serão transmitidos "oportunamente".

Ryanair prevê cancelar até 300 voos diários devido a greve na próxima semana

A companhia aérea Ryanair indicou hoje que prevê cancelar até 300 voos diários na próxima quarta e quinta-feira (dias 25 e 26) devido a perturbações provocadas pela greve de tripulantes de cabine em Portugal, Espanha e Bélgica.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.