Info

Síria: MNE entende operação militar mas quer regresso do processo "para o plano político"

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Luxemburgo, 16 abr (Lusa) -- O ministro dos Negócios Estrangeiros reafirmou hoje, no Luxemburgo, que a operação militar levada a cabo por Estados Unidos, Reino Unido e França na Síria é compreensível, mas sublinhou a necessidade de fazer regressar o processo "para o plano político".

"Julgo que nós todos estamos bem cientes de é preciso evitar a todo o custo qualquer escalada. Todos nós ouvimos bem as palavras do secretário-geral das Nações Unidas (António Guterres) e as diferentes partes têm também em atenção os sucessivos apelos da União Europeia no sentido de voltar este processo para o plano político, que é o único plano de soluções possíveis", disse Augusto Santos Silva, após participar numa discussão sobre a Síria numa reunião de chefes de diplomacia da EU.

Lamentando a "manifesta impossibilidade prática" de ser levada a cabo no terreno uma investigação independente sobre o uso de armas químicas no conflito sírio, o ministro realçou que as indicações dadas pelos "aliados" é de que "os alvos da operação militar conduzida na noite de sexta para sábado passado, são instalações de desenvolvimento, de produção e de armazenamento de armamento químico", o que justifica a intervenção, que foi contida.

ACC // ANP.

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Balanço de mortos no incêndio no oleoduto no México sobe para 79

O número de mortos no incêndio após a explosão num oleoduto em Tlahuelilpan, no estado mexicano de Hidalgo, aumentou para 79 pessoas, com a morte de seis pessoas que estavam hospitalizadas.

Pelo menos 20 mortos em incêndio de oleoduto no México

Pelo menos 20 pessoas morreram e 54 ficaram feridas na sequência de um incêndio de grandes dimensões num oleoduto no centro do México, anunciaram na sexta-feira as autoridades mexicanas.

Parlamento britânico chumba moção de censura ao Governo conservador de May

O Parlamento britânico rejeitou hoje uma moção de censura ao Governo conservador da primeira-ministra Theresa May, com 325 votos contra e 306 a favor.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.