Jornal Diário Jornal das 13

Septuagenária "gravemente ferida" em incêndio numa habitação de Viana do Castelo

Septuagenária "gravemente ferida" em incêndio numa habitação de Viana do Castelo
| Norte
Porto Canal com Lusa

Uma septuagenária ficou esta segunda-feira de manhã gravemente ferida na sequência de um incêndio que deflagrou na habitação onde reside, no centro histórico de Viana do Castelo, disse fonte dos Bombeiros Municipais.

Em declarações à Lusa, o comandante dos Bombeiros Municipais de Viana do Castelo adiantou que a mulher ficou “gravemente ferida”, com “queimaduras em cerca de 70% do corpo” e que foi transportada para o hospital local.

Os bombeiros receberam pelas 11h20 o alerta do incêndio, que foi dado pela proprietária de um estabelecimento comercial junto à habitação onde deflagraram as chamas.

Segundo a comerciante relatou à Lusa, a vítima veio à janela "gritar por socorro". A testemunha diz que ainda a tentou socorrer, mas sem sucesso, devido ao “fumo intenso” que se registava, relatou.

O comandante dos Bombeiros Municipais de Viana do Castelo referiu que as chamas terão deflagrado a partir de um "aquecedor que estava localizado no quarto da vítima".

No local estiveram cinco veículos, com 12 operacionais dos Bombeiros Municipais e Voluntários de Viana do Castelo e uma equipa da PSP.

+ notícias: Norte

Taxistas do Porto "não arredam pé" até terem "respostas positivas"

Cerca de 250 taxistas mantêm-se hoje concentrados na avenida dos Aliados, no Porto, contra a lei que regula as plataformas eletrónicas de transporte que operam em Portugal, garantindo "não arredar pé" até receberem "respostas positivas" de Lisboa.

Administração do Hospital Gaia/Espinho diz não ter recebido nenhum pedido de demissão

A administração do Centro Hospitalar de Gaia/Espinho afirmou esta quarta-feira não ter recebido qualquer pedido de demissão das dezenas de diretores que se declararam demissionários numa carta em que protestavam contra "condições indignas" de trabalho.

Rui Moreira diz que é urgente realojar restantes moradores do bairro do Aleixo

Rui Moreira explicou na reunião diz que a decisão de urgência de realojar todos os moradores das três restantes torres do bairro do Aleixo deveu-se à queda inesperada de partes das fachadas dos edifícios. O autarca do Porto adiantou no entanto que pelo menos para já não pretende extinguir o fundo criado em 2009 para resolver o problema do bairro.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.