Jornal Diário Jornal das 13

"Benzinho" e "Vou-me despedir do rio" vencem 21.º Festival de Cinema Luso-Brasileiro

| País
Porto Canal com Lusa

Santa Maria da Feira, Aveiro, 15 abr (Lusa) - A longa-metragem brasileira "Benzinho" e a curta documental portuguesa "Vou-me despedir do rio" venceram hoje em Santa Maria da Feira a 21.ª edição do Festival de Cinema Luso-Brasileiro, disputada por um total de 31 filmes.

Américo Santos é o diretor do certame e declarou à Lusa que "Benzinho", realizado por Gustavo Pizzi, retrata "o mosaico emocional de uma família à beira de um ataque de nervos" devido à partida do primogénito para uma carreira desportiva noutro país.

Com protagonistas como Adriana Esteves, Konstantinos Sarris e Otávio Muller, o filme destacou-se entre as sete obras de ficção brasileiras selecionadas para a categoria dos longa-duração e teve agora estreia em Portugal, depois de exibido no Sundance Film Festival, nos Estados Unidos.

Já na secção das curtas-metragens, disputada por 24 obras portuguesas e brasileiras, o prémio principal coube aos realizadores David Gomes e Pedro Cruz, que em "Vou-me despedir do rio" adotaram o registo de "documentário poético" para contar a história do "desaparecimento da arte do linho e do colapso da Fábrica do Caima", em Ribeira de Fráguas.

O Festival de Cinema Luso-Brasileiro distinguiu ainda outras obras em ambas as categorias, como a longa-metragem "A moça do calendário", de Helena Ignez (BR), e a curta "Água Mole", de Laura Gonçalves e Alexandra Ramires (PT), ambas destacadas com o Prémio do Público.

Também em destaque esteve a longa "Unicórnio", do brasileiro Eduardo Nunes, que venceu tanto o Prémio dos Cineclubes como o Prémio Especial do Júri.

Outras obras em relevo nessas categorias foram ainda as curtas "Torre", com que os Cineclubes distinguiram a realização da brasileira Nádia Mangolini, e "Tudo o que imagino", com que o Júri compensou o trabalho da portuguesa Leonor Noivo.

Ambas as distinções atribuídas pela Crítica, por sua vez, privilegiaram a cinematografia brasileira, premiando a longa "Pendular", de Júlia Murat, como a curta "Superpina", de Jean Santos.

O mesmo aconteceu com o Prémio Revelação: nas longas-metragens, a nova promessa é o realizador André Lage, pelo filme "Los Leones", e nas curtas Safira Moreira, que dirigiu "Travessia".

Quanto à representação, só houve prémios na categoria relativa aos filmes mais extensos e os eleitos também foram atores brasileiros: Martha Nowill, do filme "Vermelho Russo", e André Guerreiro, de "A moça do calendário".

Mais favoráveis ao desempenho português foram as três menções honrosas atribuídas pelo júri à longa-metragem "Vermelho Russo", uma coprodução luso-brasileira realizada por Charly Braun, e às curtas portuguesas "Laura", de Tânia Dinis, e "Habitado", de Daniela Fortuna.

AYC // MCL

Lusa/Fim

+ notícias: País

Homem morre em Cinfães quando estava a lançar fogo-de-artifício

Um homem morreu hoje de manhã, em São Cristóvão de Nogueira, no concelho de Cinfães, quando estava a lançar fogo-de-artifício, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Viseu.

Nebulosidade e temperaturas abaixo dos 30 em quase todo o país até à próxima semana

A nebulosidade, o vento e as temperaturas abaixo dos 30 graus Celsius, exceto no Algarve e interior do Alentejo, vão continuar pelo menos até meados da próxima semana, disse à Lusa a meteorologista Maria João Frada.

Falta de técnicos deixa ambulâncias do INEM paradas quase 1200 horas em junho

Em junho as ambulâncias do INEM estiveram paradas mais de mil horas por dia por falta de pessoal. O sindicato dos técnicos de emergência denuncia que a situação pode piorar, caso a providência cautelar da ordem dos enfermeiros trave a formação de técnicos que está a decorrer.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.