Jornal Diário Jornal das 13

MNE destaca "ajuda absolutamente essencial" de Marcelo na aproximação às comunidades portuguesas

| Política
Porto Canal com Lusa

O ministro dos Negócios Estrangeiros português afirmou este domingo que o Presidente da República tem prestado "uma ajuda absolutamente essencial" para aproximar Portugal das suas comunidades residentes no estrangeiro, que se tornaram "centrais" na política do Ministério.

Atualizado 15-04-2018 20:23

Em entrevista à Lusa a propósito do lançamento do livro "Argumentos Necessários", que reúne textos seus sobre a política europeia e externa de Portugal, Augusto Santos Silva afirmou como cumprido um dos objetivos do Governo sobre a emigração portuguesa: "Ter Portugal o mais próximo possível das suas comunidades".

"A ajuda do senhor Presidente da República tem sido absolutamente essencial. Onde quer que o Presidente da República vá, tem uma relação tão direta, tão afetiva, tão profunda, tão genuína com as comunidades portuguesas, que representa bem o enorme elo que existe entre Portugal e os portugueses que vivem no estrangeiro", considerou.

Além disso, Santos Silva destacou o "trabalho absolutamente notável" do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, "do ponto de vista da proximidade junto dos compatriotas que estão a sofrer, com problemas ou em perigo em qualquer parte do mundo", recordando os portugueses que atravessam dificuldades devido à crise política e social na Venezuela, os afetados no ano passado pelo furacão Irma, nas Caraíbas, ou as vítimas portuguesas de ataques terroristas.

Por outro lado, "o país conseguiu tornar mais visível a nova migração portuguesa", tarefa para a qual contribuiu o Conselho da Diáspora, lançado por iniciativa do então Presidente Cavaco Silva, e a promoção das redes de pós-graduados portugueses nos Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha ou Benelux.

Santos Silva também apontou a forma como, nos anos mais recentes, "mudou a imagem circunstancial do país".

Os portugueses, considerou, passaram a ser "reconhecidos pela sua resiliência".

"Isso é muito reconhecido a Portugal: o que fizemos durante o período mais difícil da crise e a forma como conseguimos resistir, sem convulsão social, sem convulsão política, sem que o sistema de partidos se desmoronasse e sem que houvesse um pôr em questão significativo da nossa identidade europeia", lembrou.

Além disso, Portugal conquistou "uma voz mais ouvida e mais influente na Europa" por "mostrar que havia várias políticas possíveis para chegar aos mesmos objetivos", referiu.

O país que elegeu em 2016 o antigo primeiro-ministro António Guterres como secretário-geral das Nações Unidas e, no ano passado, o ministro das Finanças como presidente do Eurogrupo, também conseguiu "consolidar a sua imagem tradicional de construtor de pontes", defendeu o chefe da diplomacia portuguesa.

"Portugal tem construído uma posição na cena internacional que o torna num país em que as pessoas pensam quando na cena internacional é preciso desempenhar cargos ou funções de reunião, de convergência, de articulação, de intercomunicação", disse, fazendo eco de palavras do Presidente português.

É assim, também, que o Governo português justifica a candidatura do antigo ministro e comissário europeu António Vitorino a diretor da Organização Internacional para as Migrações (OIM), cuja eleição decorre em junho.

"Entendemos que este ano em que estamos a discutir o pacto global sobre as migrações, esta eleição do novo diretor deve ser uma oportunidade para dar à OIM um protagonismo e uma relevância política maiores, e entendemos que António Vitorino dá garantias para isso".

+ notícias: Política

Escolas com orientações para não autorizarem férias para docentes sem notas entregues

O Ministério da Educação enviou hoje orientações às escolas para que concluam as avaliações finais dos alunos "impreterivelmente até 26 de julho", pedindo aos diretores escolares que apenas autorizem férias aos professores depois de entregarem as notas.

Ministro da Saúde anuncia decisão sobre deslocalização do Infarmed "a curto prazo"

O ministro da Saúde disse hoje que o Governo terá condições para decidir sobre a mudança do Infarmed para o Porto "a curto prazo" e salientou que relacionar a deslocalização com ameaça da saúde pública mundial é “exagero”.

CDS- PP inicia campanha para as eleições Europeias

O CDS-PP é o primeiro partido a dar o pontapé de saída na campanha para as eleições europeias. O objetivo do partido é passar de um para dois deputados numa lista com 10 ideias chave.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.