Jornal Diário Jornal das 13

Companhia Ao Cabo Teatro estreia "Timão de Atenas" de Shakespeare, no Rivoli

| Norte
Porto Canal com Lusa

Porto, 12 abr (Lusa) -- A companhia Ao Cabo Teatro apresenta, na sexta-feira e no sábado, no Teatro Municipal Rivoli, no Porto, a peça "Timão de Atenas", do dramaturgo britânico William Shakespeare (1564-1616), um retrato cruel e irónico da sociedade.

Na obra, William Shakespeare apresenta a história de Timão, um ateniense que gasta toda a fortuna a entregar o dinheiro a amigos e outras personagens interesseiras, antes de se tornar um misantropo, enquanto afastado de Atenas.

"'Timão de Atenas' é uma reflexão sobre a dívida, a mentira, a hipocrisia social. É um retrato cruel, mas ao mesmo tempo irónico, quase 'fársico', das relações de interesses que se estabelecem, de 'lobbyismo', como agora se diz. Por detrás disso tudo está a crueldade da dívida, da economia real, do deve e do haver registado, ou no nosso caso, os atores do recibo verde e da entrega do IRS", explicou à Lusa o encenador, Nuno Cardoso, diretor artístico da Ao Cabo Teatro.

O texto vem sendo trabalhado por Nuno Cardoso desde 2010, na sequência da crise e da intervenção da 'troika' em Portugal, em que "todo o país entra em choque traumático face à dívida e a perda de soberania", e inaugura um programa de quatro peças intitulado "Dívidas, Dúvidas, Mentiras e Revoluções".

"É constituído pelo 'Timão', o 'Pulmões' [do inglês Duncan MacMillan], uma reflexão de um casal sobre o ecossistema, pelo 'Bella Figura' [da francesa Yasmina Reza], sobre a traição, e acaba com 'Morte de Danton' [de Georg Buchner], uma reflexão sobre a revolução", revelou o diretor.

Com a peça de Shakespeare, vem o "desejo de revisitar uma sociedade iludida pela sua própria vertigem, de uma forma quase subliminar e ínvia, em que o consumismo se tornou a única ideologia predominante", que está "presente em tudo, na maneira como a sociedade se tornou visual, sem tempo, e como se organiza para, de quinta a domingo, o resto do dia ser um esquecimento da exploração do trabalho".

O choque com o "'economês' que domina e ao mesmo tempo se esconde perante o 'glamour' de uma aparente 'happy hour' que domina as pessoas, e as torna 'hiperindividualistas' e egoístas", encontra o momento de crise, que transforma a realidade numa "crueldade absoluta", reproduzindo-se de forma física e digital.

"Quando uma crise acontece, seja a de 2010 ou no seio de uma família, de uma relação, de uma cidade, é eminentemente corporal, material, tem consequências de saúde. É, portanto, uma chamada brutal à realidade, à realidade animal. Foi por causa de tudo isso que decidimos fazer esta peça", explicou o encenador.

Com uma cenografia que aponta a cidade como uma casa de banho pública e a floresta, selvagem, como uma montra de centro comercial, numa "interpretação de uma cidade" como metáfora e opinião, a representação dos atores é "dos dias de hoje", criando em conjunto "um espaço de jogo lúdico em que a palavra é ação", que contém "o tempo desta sociedade, mas também a recusa desse tempo", sem o recurso à tecnologia inserida no que é "teatro no mais clássico possível".

"Um conjunto de atores com um conjunto de elementos com um conjunto de palavras que contam uma história (...). Há uma tentativa de defender a forma da palavra, só, e do corpo como meios tão contemporâneos como os meios digitais", comentou Nuno Cardoso, que descreveu o trabalho sonoplástico como uma aproximação a "uma espécie de teledisco dos anos 1980".

Escrita em colaboração com Thomas Middleton, segundo apontam os historiadores da obra do 'Bardo', este é um texto "fortemente experimental", que "vai buscar raízes às moralidades medievais", mas não deixa de ser "muito dura" e violenta.

A representação da companhia Ao Cabo, com um total de 11 atores no elenco, atravessa várias linguagens, passando pela dança, o 'vaudeville' ou a utilização de máscara neutra, o que só foi possível fazer com "atores fantásticos, extremamente generosos".

Na opinião de Nuno Cardoso, as manifestações em torno do modelo de apoio às artes da Direção-Geral das Artes (DGArtes) "já criaram frutos", num trabalho "importante, que, se não fosse feito, deixava numa situação complicada".

O diretor artístico da Ao Cabo Teatro, companhia apoiada "em menos 25% do pedido", considera que a "expectativa" criada em torno do novo modelo levou a uma maior desilusão, e pensa que este "tem de ser trabalhado - é um bocado fastidioso e desconfiado em certas coisas".

Apesar de ter recebido apoio, o encenador revelou que a produção de "Timão de Atenas" sofreu com os constrangimentos financeiros, porque a estreia acontece na sexta-feira, "antes sequer de saber se o apoio é homologado ou não", pelo que há várias componentes do espetáculo que foram feitas com pagamentos adiados e a partir dos apoios dos coprodutores do espetáculo.

Da cenografia de "Britânico", espetáculo de Jean Racine levado a cena pela Ao Cabo em 2015, foi reaproveitada uma parede para o novo espetáculo, e Nuno Cardoso diz mesmo que "nada disto seria possível se os atores e criadores não aceitassem pagamentos atrasados, menos dinheiro".

Depois do Porto, "Timão de Atenas" é apresentado no Teatro Aveirense, em Aveiro, a 21 de abril, e no Theatro Circo, em Braga, a 27, antes de passar pelo Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, a 05 de maio, e de estar no Teatro Municipal São Luiz, em Lisboa, de 13 a 23 de setembro deste ano.

SIYF // MAG

Lusa/fim

+ notícias: Norte

"Escaravelho" do castanheiro ameaça produção de castanha em freguesia de Valpaços

Os produtores de castanha continuam preocupados com as pragas nos castanheiros. Na zona de Carrazedo de Montenegro, em Valpaços, que é conhecida como a capital da castanha judia, as atenções centram-se numa praga conhecida como "escaravelho" do castanheiro que seca a árvore e destrói a produção.

Escolas do Norte do país encerradas devido a falta de funcionários

Uma escola em Braga e outra na Póvoa de Varzim não abriram, esta segunda-feira, devido a falta de funcionários. A carência de auxiliares é um dos problemas que está a marcar o arranque do ano letivo, bem como os protestos dos professores e pelos atrasos na entrega dos manuais escolares.

STCP já tem 26 autocarros movidos a gás natural e 100% elétricos

A STCP (Sociedade de Transportes Colectivos do Porto) dispõe já de 26 autocarros verdes movidos a gás natural e 100% elétricos. Um serviço mais eficiente, em termos económicos e ambientais, e que se pretende aumentar até 2020.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.