Info

Escudos térmicos de cortiça criados em Portugal vão proteger amostras de solo de Marte

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 02 abr (Lusa) - Escudos térmicos em cortiça desenvolvidos em Portugal vão ser usados para proteger amostras do solo de Marte recolhidas em missões da Agência Espacial Europeia agendadas para depois de 2020.

A cortiça tem a vantagem de ser leve e resistente ao calor e ao fogo, o que é importante quer para economizar combustível quer para a reentrada na atmosfera terrestre, disse à Lusa Carla Guedes, do Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ).

No laboratório de Castelo Branco do ISQ têm sido feitos testes de impacto e de calor, entre outros, nos escudos protetores dos contentores esféricos que serão colocados num veículo que trará as amostras de volta à Terra.

Além do ISQ, participam no projeto, que dura há dois anos e custou até agora 400 mil euros, a corticeira Amorim, a empresa Critical Materials e o instituto de polímeros PIEP.

As missões Mars Sample Return, planeadas em conjunto pela ESA e pela agência espacial norte-americana, NASA, e a Phobos Sample Return deverão durar cinco anos e nelas se prevê a recolha de solo marciano -- sob a forma de rególito, material solto e fragmentado que cobre rocha sólida -, que regressará à Terra para ser estudado.

APN // JMR

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Sindicatos dos motoristas sem acordo com ANTRAM entregam pré-aviso de greve

Os sindicatos representativos dos camionistas não chegaram a acordo com a ANTRAM e entregaram um pré-aviso de greve, com início em 12 de agosto, após uma reunião hoje de quase cinco horas, sob a mediação do Ministério do Trabalho.

Motoristas de transporte de passageiros do Norte avançam para tribunal

Motoristas afetos ao Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos do Norte (STRUN) vão reivindicar em tribunal direitos que dizem não estar a ser cumpridos, como a média das horas extra e folgas, disse fonte sindical.

Comboio elétrico chega à linha do Minho

Está programada para a próxima segunda-feira a viagem inaugural do comboio elétrico na linha do Minho. A obra deveria estar concluída no final de 2018, mas atrasou devido à falta de material.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.