Info

PE: Críticas de PSD e CDS "aquecem" debate com António Costa em Estrasburgo

| Política
Porto Canal com Lusa

Estrasburgo, França, 14 mar (Lusa) -- O debate de hoje com o primeiro-ministro sobre o futuro da Europa em Estrasburgo "aqueceu" com críticas do PSD e CDS e a resposta socialista, levando o presidente do Parlamento Europeu a recordar que o debate não era nacional.

Na fase de perguntas e respostas após a intervenção inicial de António Costa, intervenções mais críticas dos deputados Nuno Melo (CDS) e Paulo Rangel (PSD) suscitaram queixas da delegação do PS, por ter sido dada a palavra a quatro deputados portugueses do Partido Popular Europeu (PPE) -- também intervieram José Manuel Fernandes (PSD) e José Inácio Faria (Partido da Terra) -- e a nenhum socialista (Maria João Rodrigues interveio, mas como líder interina da bancada dos Socialistas Europeus).

O presidente do Parlamento, Antonio Tajani, acabaria por dar a palavra ainda ao líder da delegação do PS, Carlos Zorrinho, mas recordando, num tom impaciente, que o debate no hemiciclo de Estrasburgo não era sobre Portugal e que António Costa era perfeitamente "capaz de se defender das críticas" na sua intervenção final.

O debate começou a "aquecer" a nível interno quando Nuno Melo questionou António Costa sobre a sua defesa de novos impostos europeus, perguntando ao primeiro-ministro se, como este afirma, os portugueses não serão taxados, se "serão porventura os marcianos".

Apontando que, quando o centro-direita governava e aplicava um programa de austeridade, "depois de os socialistas arruinarem as contas públicas até 2011", o atual primeiro-ministro, então na oposição, acusava o Governo PSD/CDS-PP de "ir além da troika", Melo lamentou que "hoje, o primeiro-ministro de uma assentada quer que se lancem três impostos de uma só vez".

"Eu queria dizer ao senhor primeiro-ministro: o senhor primeiro-ministro não vai além da 'troika', o senhor primeiro-ministro é a 'troika' sem 'troika'. Governe melhor, consiga gerir bem o seu orçamento e não tribute mais os portugueses, que já pagam demasiados impostos", disse.

Pouco depois, o líder da delegação do PSD, Paulo Rangel, começando por saudar o "discurso pró-europeu" de Costa, mas lamentando "que os seus parceiros de coligação sejam totalmente antieuropeus", criticou também o que classificou como uma "porta aberta" deixada pelo primeiro-ministro "a um grande aumento da carga fiscal sobre os cidadãos contribuintes".

Apontando ainda que é verdade que Portugal regista o défice mais baixo de sempre, "mas também o investimento público mais baixo de sempre", Rangel perguntou a Costa se, "tendo agora oportunidade de reprogramação dos fundos europeus, está disposto a fazê-lo de uma maneira para que prevenção dos fogos e apoio a zona afetadas sejam altamente privilegiados", depois da tragédia sem precedentes de 2018, só possível devido a um desinvestimento.

Ao ser-lhe dada a palavra antes da resposta do primeiro-ministro, Carlos Zorrinho comentou que se assistiu a "um magnífico debate sobre o futuro da UE", lamentando que, tendo sido dada a palavra a quatro deputados portugueses do PPE, estes "infelizmente não tenham aproveitado esse tempo para discutir o futuro da Europa, mas para discutir o passado de Portugal, que ninguém quer, ninguém relembra e de que ninguém tem saudades".

Na sua intervenção final, António Costa reafirmou que Portugal aceita contribuir com mais dinheiro para os cofres europeus, mas apontou que, precisamente para que o necessário reforço do orçamento da UE no pós-'Brexit' não seja feito unicamente através de aumentos das transferências dos Estados-membros "à custa dos impostos dos seus nacionais", é necessário aumentar igualmente os recursos próprios através de impostos sobre o conjunto da economia europeia.

O primeiro-ministro defendeu que novos impostos europeus só serão eficazes à escala europeia, pois nenhum país vai conseguir taxar com efetividade as multinacionais americanas do digital, por exemplo, e disse ainda esperar que haja finalmente a "coragem de aprovar a taxação sobre as transações financeiras".

António Costa foi o terceiro líder europeu a participar no ciclo de debates promovido pelo Parlamento Europeu sobre o Futuro da UE, iniciado este ano, depois dos primeiros-ministros da Irlanda, Leo Varadkar, em janeiro, e da Croácia, Andrej Plenkovic, em fevereiro, e antes do Presidente francês, Emmanuel Macron, o "convidado de honra" da sessão plenária de abril.

ACC/AMG // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Marcelo Rebelo de Sousa pede a Bombeiros e Governo que evitem afirmações que dificultem o diálogo

O Presidente da República apelou este domingo, a propósito do conflito entre Liga dos Bombeiros e Governo, para que todos os intervenientes evitem afirmações públicas que dificultem o diálogo neste "domínio muito sensível" da Proteção Civil.

Autarcas do Norte apresentam projeto para criar linha ferroviária Vale do Sousa

Vai ser apresentado, na próxima segunda-feira, um estudo preliminar sobre a desejada linha ferroviária do Vale do Sousa. Uma linha com 36 quilómetros que poderá custar cerca de 300 milhões de euros mas que pretende atravessar Valongo, Paredes, Paços de Ferreira, Lousada e Felgueiras.

Presidência da República confirma presença de Marcelo na posse de Jair Bolsonaro

A Presidência da República confirmou este sábado que o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, estará presente na posse de Jair Bolsonaro como Presidente do Brasil, no dia 01 de janeiro, em Brasília.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.