Jornal Diário Jornal das 13

Rússia "não admite acusações sem provas" sobre morte de ex-espião no Reino Unido

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Moscovo, 14 mar (Lusa) - A Rússia avisou hoje que "não admite as acusações sem provas" e os ultimatos de Londres, que exige explicações de Moscovo sobre o envenenamento do ex-espião Serguei Skripal em Inglaterra.

"Moscovo não admite as acusações sem provas e não verificadas e a linguagem dos ultimatos", disse em conferência de imprensa o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, acrescentando que a Rússia "espera que o bom senso prevaleça".

A Rússia, insistiu, "não tem qualquer relação com o que se passou na Grã-Bretanha".

O ex-espião Serguei Skripal, de 66 anos, e a filha Yulia, de 33 anos, foram encontrados inconscientes no dia 04 de março, num banco num centro comercial em Salisbury, no sul de Inglaterra.

Na quarta-feira seguinte, o chefe da polícia antiterrorista britânica, Mark Rowley, revelou que o ex-agente duplo russo e a filha tinham sido vítimas de um ataque deliberado com um agente neurotóxico, um componente químico que ataca o sistema nervoso e que pode ser fatal.

Esta segunda-feira, a primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmou ser "muito provável que a Rússia seja responsável" pelo envenenamento do ex-espião russo e da filha, justificando que a substância utilizada é "de qualidade militar" desenvolvida pela Rússia.

Moscovo negou responsabilidades e pediu ao Governo britânico a abertura de um "inquérito conjunto" sobre o caso.

"Esperamos que o bom senso prevaleça e que outros países se questionem pelo menos se, sim ou não, existe uma prova e se as repreensões à Rússia são justificadas", disse hoje Peskov, reiterando que Moscovo "continua aberta a cooperar com um inquérito sobre as causas do incidente".

"Infelizmente, não vemos a mesma vontade da parte dos britânicos", lamentou.

Na ausência de explicações de Moscovo, Theresa May deverá reunir hoje o seu conselho de segurança nacional e poderá decidir eventuais sanções contra a Rússia.

Uma das sanções poderá ser o encerramento da televisão russa RT, considerada um órgão de propaganda pró-Kremlin.

"Qualquer ação ilegal contra um media russo no Reino Unido levará certamente a represálias na base da reciprocidade", avisou Peskov.

"Nenhum media britânico trabalhará na Rússia se eles fecharem a RT", disse a porta-voz da diplomacia russa Maria Zakharova.

FPA // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Trabalhadores do McDonald's fizeram greve nos EUA contra o assédio sexual

Trabalhadores do McDonald's realizaram, na terça-feira, em dez cidades norte-americanas, uma greve laboral contra o assédio sexual na empresa, em consonância com o movimento #MeToo.

Chuvas na Nigéria provocam 100 mortos, autoridades estimam que número aumente

As autoridades nigerianas afirmaram que 100 pessoas morreram devido às inundações provocadas pelas chuvas fortes que se fizeram sentir no país nos últimos dias.

Mais de 600 estradas bloqueadas em Hong Kong após passagem do tufão Mangkhut

Mais de 600 estradas estão bloqueadas em Hong Kong devido aos destroços provocados pela passagem do tufão Mangkhut, no domingo, que deixou mais de 200 feridos naquele território, noticiou hoje um jornal local.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.